Jamais passou pela minha cabeça participar, de alguma forma, de um blog sobre maternidade, ou sobre qualquer coisa relacionada a ela. Pode parecer incoerência diante da minha confissão, mas quando recebi o convite da minha prima Flávia Pellegrini para participar do Na Pracinha, achei fantástico. Foi o empurrão que me faltava para, efetivamente, perceber o meu universo materno muito além da superfície. Explico o
porquê.

Ser uma mãe moderna não é fácil. E de dois meninos com idades muito diferentes complica ainda mais. E ganha requintes de crueldade quando uma secretária nos falta. O dia começa bem cedo e só termina na primeira hora do seguinte. Cuidar da casa, das crianças, do marido e do trabalho é tarefa árdua. Exige tanto tempo que pouco espaço sobra para curtir as descobertas dos meninos e raciocinar sobre elas. A impressão é que aperto o meu botão de automático e a coisa flui. E com maestria!

Pois bem. Digamos, então, que o Na Pracinha é a minha oportunidade de mergulhar no meu mundo paralelo. É a pausa na minha realidade para discutir justamente sobre ela.

Agradeço o presente. Até o próximo post!