Foto: Cordvida

Amamentar é uma benção, tanto para o bebê quanto para a mãe, que cria um vínculo especial. O momento da amamentação é muito bacana e perceber o bebê sugando pela primeira vez é uma das sensações mais incríveis que já vivi. Ok, mas nem tudo são flores. Aliás, pode botar bastante espinho aí. Porque gente, amamentar dói, sim. Em algum momento, a mãe vai sentir alguma dor. Mas claro, acima de tudo, é um ato de amor.

E esse ato, hoje, me presenteou com uma surpresinha um tanto inesperada. Eu, que achava que já entendia tudo de amamentação, com uma filha que está prestes a completar 1 ano de idade e continua mamando duas vezes por dia, fiquei sem chão. Pois é, me apareceu uma mastite, pode? Sinceramente, eu achava que apenas nos primeiros meses de amamentação isso podia acontecer, por motivos como peito cheio de leite, rachaduras etc. Mas vejam só, bem às vésperas do dia das mães! Parece até que é para me lembrar que “ser mãe é padecer no paraíso…”

O fato é que ontem eu já estava quase indo embora do trabalho e percebi que estava com febre. Tomei dipirona, nada. Ibuprofeno, nada. Aí fui parar no hospital, na esperança de alguém me explicar que zica era essa que me apareceu do nada. Muitas indagações, muitos pedidos de exame e um peito dolorido. Saí de lá com outra dose de dipirona – que dessa vez, na medida certa, deu efeito – cheia de dúvidas e preocupada. Trabalhar e cuidar da filhota com febre não dá, né? Alguém me socorre, please?

No dia seguinte, procurei a obstetra que me acompanhou quando estive grávida da Sara e dei aquela solicitada básica “dá pra dar uma passadinha aí, só pra você me olhar e tirar a dúvida?” Porque se não for isso, eliminamos uma das possíveis causas. Mas claro que eu achava que não era mastite. Afinal, já amamento há 11 meses… (ó ingenuidade…)

No exame clínico, a constatação imediata: “minha linda, o que você tem é uma baita mastite”.
Mas como, gente? Eis a questão. Além do peito com excesso de leite – que geralmente acontece porque o bebê não pega bem o bico do seio – a mastite pode ser originada de uma pancada, de uma mordida do bebê e vários outros motivos que podem aparecer tanto no início como no final da fase de amamentação.

Então, vamos ficar de olho no seguinte:
dor e sensibilidade na mama
áreas quentes na mama
inchaço na mama
vermelhidão
febre acima de 38,5 graus
calafrios
prostração

Se notar esses sintomas, “minha linda, pode ser uma baita mastite”.

Cheguei em casa um pouco aliviada de ter descoberto a causa do problema. E aí logo veio a dúvida: gente, mas eu posso amamentar? Ah, pode e deve. Porque esvaziar a mama ajuda, o peito cheio pode agravar a situação.

Bom, agora, com antibiótico e repouso, espero voltar rapidinho com toda a disposição para continuar passeando Na pracinha.