Quando a criança completa 1 ano, o pediatra recomenda a introdução de uma alimentação mais próxima da adulta, já pode se sentar a mesa e começar a conhecer os alimentos dos papais, mas nem sempre irá querer aquilo que você irá oferecer. Então, vamos aprender mais sobre como oferecer uma alimentação saudável e criar bons hábitos a mesa? Esse será o tema de nossa próxima série de posts.
Enjoados para comer
Agora que seu filho está maior, é muito provável que ele se torne uma criança bem diferente do que era na hora de comer. A recusa dos alimentos é típica desta idade. Pode ser que na semana passada ele tenha devorado o purê de batata baroa (mandioquinha), e hoje esteja cuspindo por todo lado. Ou então a criança come superbem no almoço, mas no jantar faz praticamente uma greve de fome (ou vice-versa).
Um dos motivos para tamanha inconstância são as mudanças no ritmo de crescimento depois do primeiro aniversário. Do nascimento até fazer 1 ano, seu filho praticamente triplicou de peso, e aumentou de altura em 50%, ou até mais. Prepare-se, porque agora ele vai começar a engordar entre 1,5 kg e 3 kg… por ano! E o crescimento vai ser mais lento. É normal os bebês rechonchudos começarem a “afinar” depois de fazer 1 ano, e isso não é ruim. Só mostra que o corpo está mudando, seguindo as tendências genéticas da
família e sofrendo os efeitos da atividade física bem mais intensa.
Além disso, a criança está tão preocupada em explorar o mundo que não sobra tempo nem interesse para pensar em comida.
Uma das soluções é oferecer vários lanchinhos nutritivos durante o dia, em vez de dar um pratão na hora do almoço. Lembre-se de que o estômago da criança ainda é pequeno. Se ela não quiser comer, paciência. Ela não vai morrer de fome, você precisa acreditar nisso com todas as suas forças! “Casa que tem comida não tem criança desnutrida”, já diziam os médicos de antigamente.