Voltando ao assunto da chupeta, o post de hoje fala de outras dicas para retirá-la, inspiradas pelo Balde das Chupetas da semana passada.


Como já foi falado, o ideal para a dentição é não usar o bico nem chupar o dedo. Mas se isso acontecer, quanto mais cedo for feita a remoção melhor. Algumas famílias tiram a chupeta antes do primeiro ano, assim que a criança começa a interagir mais com o ambiente. Mas se estes hábitos de sucção se instalarem, chega a hora de almejar a remoção, de preferência antes dos dois anos e meio, para minimizar os efeitos não desejáveis.

Então os pais decidem que é hora de tirar, mas o que fazer? Confira algumas experiências e dicas:

::  Nayara é mãe de Luisa (7 anos) e Gabriel (4 anos). Sempre conversou sobre a remoção do bico numa boa com os filhos. Com Luisa a mãe não teve qualquer problema. Aos dois anos e meio, assim que nasceu o irmão Gabriel, ela juntou o bico e o “paninho” e entregou à mãe dizendo que não ia querer usar mais aquelas coisas, pois agora ela já era grande. Já o Gabriel, foi combinado a troca do bico por um brinquedo. Ele aceitou, mas não deu conta. No dias seguintes teve febre… Sentiu muito a perda. Os pais decidiram voltar com o bico. E certa vez ele acabou entregando o mesmo para doar para o bebê que nasceu de uma conhecida.

:: Sr. Antônio Gomes (hoje com 85 anos) conta que quando criança dormiu na casa da avó e ao acordar teve uma surpresa: encontrou o bico no “urinol” (pinico). Nunca mais quis o dito cujo.

:: E tem aqueles que dão para o Papai Noel ou para o Coelhinho da Páscoa, muitas vezes em troca de um presente.

:: Outra tática é dizer para a criança: puxa, você está com 2 anos agora, mas com 3 anos já vai “ser grande!”….E nesta conversa muitas vezes o bico acaba sendo facilmente trocado pelo tão querido e esperado presente de aniversário, que também deve simbolizar o “ser grande”, como uma bicicletinha, por exemplo.

:: O balde das chupetas é uma ideia muito bacana.

:: E também existe a técnica de sugestões noturnas, descrita no livro Hipnose Sem Magia, de Paulo Paixão, César Santos Silva e Jorge Luiz Brand, Gráfica e Editora Padre Berthier. Nesta técnica o pai, a mãe ou qualquer pessoa que tenha autoridade sobre a criança, deve entrar no quarto, chegar à distância de 50 centímetros a 1 metro da cabeça da criança e, concentrando-se, repetir de 10 a 20 vezes uma frase curta, simples, de preferência evitando a palavra NÃO, falando em primeiro lugar o nome da criança e em seguida dizendo o PORQUE ela deve corrigir o hábito, isto durante uns 10 a 20 dias seguidos e sem interrupção. Exemplo: Fulana (nome da criança ou apelido afetivo), você deve parar de chupar o bico para ficar mais bonita. No caso de hábito de sucção do dedo, adequar a frase. No livro há relatos dos pais que usaram a técnica e tiveram sucesso. E funciona mesmo!

Também existe a história da criança não estar preparada para tirar o bico porque está passando por um momento difícil, como o nascimento do irmão ou a perda de alguém querido. Dr. Derly, médico homeopata, disse certa vez: “dente a gente depois conserta, mas cabeça é bem mais difícil…” E também tem a história do limite, e aí vamos filosofando… O certo é que não há receita pronta. Como diz Leo Buscaglia em seu livro Vivendo, amando e aprendendo, “são vários os caminhos, não há o caminho certo, o melhor caminho é o do amor”.

Aproveite as dicas, e depois nos conte a sua experiência para podermos repassar para os pais que virão por aí!