O post da nossa colunista Patrícia Trindade, que já teve mais de dois mil acessos, foi repercutido no site da Folha de São Paulo de hoje, na coluna da Mônica Bergamo. O artigo da jornalista da Folha ficou em primeiro lugar entre os mais lidos durante toda a manhã de hoje e continua entre os cinco mais lidos até agora. Abaixo segue o artigo na íntegra.

16/07/2012 – 03h01


‘Não estou preocupada com os números’, diz Fátima Bernardes



O programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da TV Globo, abordou o tema autismo há alguns dias. A atração exibiu depoimentos de médicos e de pais de filhos com o transtorno.

*

Mãe de uma criança autista, a jornalista carioca Patrícia Trindade não gostou da abordagem do debate. Ela publicou um post no blog www.napracinha.com.br e no Facebook criticando a “maneira superficial” como o tema foi tratado.

*

O texto teve mil compartilhamentos na rede social até a noite de sexta.

*

Entre outras coisas, Patrícia diz que o “Encontro” reforçou alguns estereótipos.

*

“Entendo a dor da Patrícia, mas um tema como autismo não se esgota em 30 minutos de um programa. Há uma certa injustiça quando ela fala que fomos superficiais”, diz Fátima Bernardes à coluna, por telefone.

*

“A gente não tem a pretensão de fazer uma tese, de ser tão profundo a ponto de esgotar um tema. Nós jornalistas podemos voltar sempre a um assunto, senão estaríamos fritos”, afirma.

*

Fátima pede uma segunda chance. “Nenhuma das questões que a Patrícia aponta procedem. Pediria que ela revisse o programa com um pouquinho mais de tranquilidade.”

*

A apresentadora falou ainda da pressão nos primeiros dias, de ibope e da sua alegria com o novo desafio.

*

Folha – Como você analisa o programa até agora?
Fátima Bernardes – Vou esperar três meses para fazer uma avaliação. Mas continuo muito feliz de fazer esse trabalho.

Acha que as críticas à atração estão sendo muito pesadas?
Acho que elas estão sendo muito rápidas.

A baixa audiência, a questão dos números, é algo que te preocupa?
Isso não é algo que está me preocupando nem um pouco. Vamos deixar pra falar mais pra frente.