Como pai de primeira viagem tenho muito mais a ouvir e ler do que falar e escrever, mas a convite das meninas do Na pracinha tentarei expressar como me sinto sendo pai da Larissa. E para isso contarei resumidamente a minha história.

Eu e a Luci durante o nosso namoro e depois de casados sempre conversávamos sobre sermos pais. Quando decidimos “engravidar” fiquei tenso, preocupado e cheio de inseguranças. Ainda bem que o tempo de sofrimento foi pequeno, pois no segundo mês ela engravidou e aí a alegria com o resultado positivo do exame se sobrepôs aos meus medos. Mas aí surgiram outros, como será a gravidez, como será o parto, como educarei meu filho, como passarei os meus valores para ele, como será minha rotina após o seu nascimento etc.

Este post faz parte da série escrita 
exclusivamente por papais, uma 
homenagem a todos os super-
heróis da criançada
Aí dia 21 de novembro de 2011 a Luci me liga às 10h da manhã falando que tinha acabado de sair da médica e que tinha marcado a cesárea para o dia seguinte à tarde. Duas horas depois ela me liga, novamente, falando para eu ir para o hospital. A ficha demorou tanto a cair que ainda perguntei para ela “vou ao hospital para quê??” E ela mais do que depressa respondeu “a Lalá quer nascer agora”. Fiquei louco, saí desesperado para a maternidade. Chegando lá, a Luci estava no consultório com a médica e da lá já saiu para a sala de pré parto. Fiquei uma hora esperando até que me chamaram para ficar com ela. Assisti todo o parto e por incrível que pareça, não desmaiei.

A emoção de ver minha filha nascendo é indescritível. Ver que ela e a minha esposa estavam bem foi um alívio enorme, o que só aumentou a minha alegria. Ficamos só um dia no hospital. Levá-las para casa foi um caos, a Larissa chorou o caminho todo e eu cada vez mais nervoso, pois não sabia o que fazer. Em casa, nos primeiros dias, também foi tenso, pois o período de adaptação é complicado. Mas ele passa, graças a Deus!

E hoje a Larissa já está com quase nove meses. Tenho a certeza que ser pai é ser desafiado constantemente, é aprender dia após dia, é amar cada vez mais, é ser cada vez mais paciente enfim, é a melhor coisa do mundo.

O Fabrício é pai da Larissa, de 9 meses, e marido da Lucinda, nossa colunista psicóloga.