Tem coisas nesta vida que não importa onde estamos, como somos e nem como vivemos, porque muda-se o endereço, mas as rotinas e reações são as mesmas. E assim acontece com as mamães de plantão. Ontem, 25 de setembro de 2012, passei por uma das mais emocionantes experiências.

Quando engravidamos é frequente ouvir por parte das mamães que seria maravilhoso poder ter em casa um equipamento de ultrassom. Ver seu filho todos os dias para saber como está,  ficar por horas e horas contemplando seus movimentos, seu rosto, enfim, desejo de muitas, eu garanto.

Já pararam para pensar como isto se dá na vida de uma mãe sendo cega? Como é fazer um exame que é pura imagem e apenas se contentar com descrições e imaginação? Há alguns dias, contei aqui a fantástica experiência de poder fazer um ultrassom com o recurso da audiodescrição. A minha querida amiga Lívia Motta gentilmente me acompanhou para tentar descrever ao máximo o que via dos borrões ainda não tão definidos. Para mim e meu namorido já foi um grande avanço e confesso ter ficado bem emocionada. Dias depois, tive uma grata surpresa ao assistir num jornal que havia mais uma maneira de conseguir “enxergar” o nosso filho mesmo sem ver. Calma, eu explico tudo, porque parece tão confuso, mas lhes garanto que não tenho palavras para expressar tamanha emoção. Mas, vamos lá, eu juro que tentarei detalhar ao máximo para que saibam o que senti.

Esta nova técnica, foi pensada por um médico obstetra e um pesquisador do museu nacional do Rio de Janeiro. Eles faziam réplicas fiéis de fósseis, múmias, entre outras peças históricas e foi então que pensaram em fazer também com os fetos. No início, começaram a utilizar a técnica para análises clínicas em fetos que teriam alguma suspeita de patologia, tudo tomou uma proporção tão grande que perceberam que muito poderiam contribuir para um público de mães que ansiavam por ver seus filhos mesmo antes do seu nascimento, e não podiam porque eram cegas.

Para que dê certo esta maravilhosa criação, é necessário realizar um ultrassom 3D, e dependendo do tamanho do neném também se faz necessário a realização de uma ressonância magnética, que foi o meu caso. Após este processo, eles pegam as medidas exatas do bebê, o tamanho, peso, todas as informações minunciosamente para que a réplica seja realmente fiel. Depois de todos os cálculos matemáticos, uma impressora faz o molde e por meio de um gesso é revestida camada por camada até que finalmente seja formado aquele que está em seu útero. Também para que seja um trabalho de sucesso é preciso mais ou menos 300 imagens tiradas do bebê.

E assim aconteceu com a gente. Eu soube da técnica, entrei em contato com o médico responsável, pois descobri o laboratório que ele trabalhava e me surpeendi com sua simpatia e dedicação. Era uma quinta e marquei para realizar o exame na quarta da semana seguinte. Imaginem o tamanho da minha ansiedade? No outro dia, recebi uma ligação e adivinham? Uma emissora gostaria de gravar conosco este momento mágico. Tudo acertado e lá fomos nós rumo ao Rio para realizar o tão esperado exame.
Uma equipe nos acompanhou até lá. Participou de todo o processo, mas só aqui em São Paulo eu teria acesso ao resultado da obra prima. E então, como citei no início, ontem, foi o grande dia, foi o dia “D”.

Acordei eufórica pela manhã,coisa difícil em dias normais (rs), e um carro passou para nos pegar. Fomos eu e Gianluca, meu filho de 8 anos. O coração estava acelerado, mãos frias e úmidas. Sentamos num sofá, fiquei entre o dr. Eron Vern e o meu filho. Começa a rolar o vídeo na tela contando sobre nossa viagem. E é claro, as lágrimas já vieram na face. Depois passou uma história linda de uma moça também cega que perdeu a visão com 20 anos as vésperas do casório, mas o amor era grande e mesmo com este fato, na época o noivo não desistiu e estão juntos até hoje. Eles tem uma filha de 7 meses e mais coisas foram mostradas e eu já me acabando de tanto chorar (rs). A Chris Flores fez um certo suspense, pois chamou os comerciais e só depois pude ter a emoção de tocar meu filho. O Gian já não aguentava mais e queria saber quando acabariam os comerciais, rsrsrs. Enfim, é chegado o grande momento…..

Não vou detalhar como foi esta cena, pois quero que sintam um pouco do que foi para mim. Sensacional, sem palavras, simplesmente demais. Os convido a fechar os olhos por um instante e imaginar como se fossem vocês. Imaginem tocar em seu filho mesmo antes dele nascer. Imaginem sentir cada detalhe, cada traço físico, perninhas, bracinhos, narizinho, cabeça, enfim, todo o seu corpinho. Agora quando sinto ele chutar, vem a minha cabeça a sua imagem. De certa forma, já sei mais ou menos como ele será após seu nascimento. Já tenho uma ideia do dono daqueles pontapés e soquinhos. Tudo isto é tão lindo, tão maravilhoso de sentir. Sentir aqui dentro da barriga, sentir com o coração e com a alma.

Confiram a reportagem e sintam toda esta emoção que lhes garanto que não foi pouca!


Um beijo e um queijo e juro que se tiver mais novidades, venho aqui dividir com vocês!