Hora de decidir o próximo destino para passar o feriado prolongado com a cria e bate aquela dúvida: onde encontrar um lugar onde os filhos se divirtam e os adultos possam dar também uma merecida relaxada? Não é fácil conciliar as duas coisas. Existem algumas opções child friendly pelo Brasil afora, mas se você ainda não se decidiu, este post traz uma dica de destino super bacana: passear com as crianças em Aracaju é tudo de bom :)

Saindo de BH, são quatro horas de voo. Caso haja conexão, como aconteceu no nosso caso, a viagem pode durar seis horas. Mas nada muito caótico. Optando pelo avião, vale checar as dicas aqui.

A cidade traz diversos atrativos e não conseguimos aproveitar todos eles em função do tempo – ficamos apenas cinco dias por lá. Na verdade, o melhor de tudo é a própria praia, por isso, na maior parte do tempo, curtimos mesmo a areia e o mar – sabe como é mineiro, né?

O clima
Aracajú é uma cidade quente, como a maioria das cidades nordestinas. No entanto, existe uma brisa pelas ruas que está sempre refrescando, tornando o lugar perfeito para aqueles que se apaixonam pelo local e decidem mudar-se de mala e cuia pra lá. Visitamos uma feirinha pela manhã em um dos dias e nos deliciamos com a beleza das frutas típicas, as cores que deixam a cidade vibrando de alegria!

A praia
A praia mais indicada para passear com as crianças é a Aruana. A extensão da areia não é muito grande, há muitas opções de bares na orla e o mar parece que foi criado pensando exatamente nos pequenos. Ele é bem rasinho por muitos metros, criando um espaço onde as crianças podem brincar sem o risco de afogamento ou algo parecido. Mas claro, a diversão não dispensa o olhar atento dos papais em cada peripécia. E a temperatura da água é um show à parte – aquela deliciosa água morninha típica das praias do nordeste.

O mar é bem rasinho por uma grande extensão

Se divertindo a valer ;)

As barracas/bares de praia


São muitas opções, visitamos três: Meu Bar, Parati e Com Amor Beach Bar. O primeiro é mais simples, mas não menos estruturado para bem receber uma família com crianças. Não aceita cartão, então acaba ficando mais vazio – o que, para nós, é excelente. Os petiscos são mais baratos, a ducha é ótima. Já o Com Amor Beach Bar é conhecido como um bar próprio para levar crianças. Tem piscina, brinquedos e até fraldário no banheiro, com ar-condicionado (cho-quei). Quando entrei no banheiro, achei que estava  no shopping, rs. O Parati tem fraldário também. Mas claro que essa infra toda gera um reflexo na conta, né? É um bar para visitar de vez em quando!

Banheiro estilo shopping
Piscinas no Com Amor Beach Bar

Oceanário – Projeto Tamar
O Oceanário apresenta espécies diversas de peixes, tubarões e especialmente tartarugas. As crianças se divertem muito observando os animais. É possível também acompanhar a soltura dos filhotinhos de tartaruga no mar.

Filhotinhos de tartaruga
Atenção, criançada!

Que linda =)

Curioso, não?

Curiosa, sim!
Utilidade, anota aí!

Outros atrativos – que vamos conhecer em uma próxima visita, porque desta vez não deu tempo:


Maravilhoso Mundo da Criança
Fica na Orla, mas só dá par ir no inicinho do dia ou no final dele, pois os brinquedos ficam muito quentes

Mangue seco
É onde foi filmado “Tieta” – lembra? Mas para chegar lá, é preciso se aventurar em bugue e lancha, achamos que seria radical demais levar a pequena desta vez, fica pra próxima!

Dicas para os mineiros que, como nós, têm pouca experiência com criança na praia:

– Lembre-se do protetor: eu passava antes de sair de casa, 1 hora depois que estávamos na praia e depois toda vez que ela saía da água – assim que secava, eu aplicava novamente. É um saco complicado, mas vale a pena, porque ela não ficou vermelha. Ir para a praia e ter que lidar depois com a criança chorando e reclamando porque está toda ardendo arrasa com qualquer viagem…fora que trata-se de um cuidado básico com a saúde, né? Vale investir um tempo neste processo.

– Invista no chapéu: a dica está dada, mas a verdade é que a Sara não aceitou de jeito nenhum usar o chapéu. Resultado: um cocuruto vermelhinho. Nos últimos dias, apelei e comecei a passar protetor direto na cabeça dela. Ficava ridículo, mas ao menos estava protegendo.

– Adquira uma piscininha: tem de vários tamanho, a da Sara é pequena, mas ideal para levar para a praia, explico: cabem ela mais os brinquedinhos, nada além. Pontos positivos: serve direitinho para se refrescar; quando o sol se movimenta e a piscina sai da sombra, dá para arrastá-la pela areia cheia de água e com o bebê dentro se preciso, porque é bem levinha; uma vez cheia de ar, dá para deixá-la no porta-malas do carro do mesmo jeito e no dia seguinte, é só pegar, não precisa ficar enchendo todos os dias. É ou não é uma maravilha? Tem piscina com tantos apetrechos “incríveis” que no final das contas, só dão mais trabalho para os pais e a criança acaba resolvendo ir para o mar…!

Piscininha do tamanho ideal

– Leve fralda de piscina: é excelente e confesso que resolvi não colocar o biquíni por cima – eu sei, fica fofo, mas já estava tão quente, que achei desnecessário. Eu trocava a fralda umas quatro vezes, quase sempre logo depois que ela saía da água, para não ficar incomodada. Ah, e vale a pena levar uma quantidade suficiente para não ter que procurar pela cidade – parece estranho, mas tivemos dificuldade de encontrar nas farmácias locais.

– Leve na bolsa toalhas e cangas diversas: quando chegar a hora de dar aquela dormidinha, é bom ter algo para cobrir se a brisa do mar já estiver um pouquinho mais intensa. Uma das toalhas pode estar molhada, a canga pode estar suja demais, enfim – nunca é demais levar esses apetrechos a mais para proteger a cria.

Cochilinho no meio do dia

– Alimentação: como Sara já está maiorzinha, optamos por oferecer os pratos que a barraca de praia servia. Por isso, ela comeu muito peixinho, mas pedíamos às vezes um arrozinho com feijão e carne. Sem muito sucesso, mas achei importante procurar manter algum tipo de rotina. E o suco, era de cajá todos os dias – vale experimentar novos sabores com as frutas típicas da região!

Suquinho de cajá

O passeio foi demais! E aí, quem se aventura?