Favim

Nesta semana a maior parte dos colégios inicia o ano letivo. E muitas crianças irão pela primeira vez para a escolinha, algumas terão o primeiro dia de aula na escola nova e outras o primeiro dia de aula na escola do ano passado, mas em outro ano com professora e coleguinhas novos.

Em todas as três situações temos em comum as novidades. E sabemos que, principalmente na nossa cultura, tudo o que é novo gera um pouco de medo, ansiedade e expectativas. E estes sentimentos não são exclusivos das crianças. Os papais também ficam apreensivos para saberem como os filhos vão lidar com as novidades, se eles vão se adaptar, se enturmar, enfim, se serão felizes no ambiente onde passam um bom período do dia. Uma boa maneira de diminuir a ansiedade e o medo do novo é conversar muito sobre o assunto e ir à nova escola com a criança quantas vezes ela quiser. Mesmo as crianças bem novinhas, que ficarão nos berçários, os pais devem conversar muito e levá-las várias vezes para que se acostumem com o ambiente e, ao mesmo tempo, para que os papais possam avaliar se realmente é ali que querem deixar seus filhos.
Entendendo o contexto

A criança mais novinha, normalmente, vai para escolinha sem entender muito o que está acontecendo, por isso, no inicio, costuma chorar um pouco na hora que os pais vão embora, mas depois de algum tempo, quando percebe que eles voltam para buscá-la, o choro pára e ela começa até a dar tchau para os papais.A criança que muda de escola, normalmente, vai muito empolgada, querendo conhecer tudo e todos do novo colégio. Os pais devem ficar atentos ao comportamento após alguns dias de aula: ela ainda está feliz com a mudança? Pois a alegria e entusiasmo é que serão o termômetro de como está sendo a adaptação, de como ela foi recebida enfim, se está tudo bem.

E a criança que continua no mesmo colégio? Ela também vai ansiosa para rever os amigos e conhecer a nova professora. Por já conhecer o espaço físico e as “normas” da escola, esta criança terá menos novidades para se adaptar, mas aqui também vale o termômetro da alegria e entusiasmo para avaliar como está indo este novo ano letivo.

E se a criança não estiver feliz? 

A primeira coisa a se fazer é conversar muito com o seu filho para entender o que realmente está acontecendo. Lembrando que nestas conversas os pais têm que ficar bem atentos para perceberem se a criança está realmente com um problema de adaptação ou se está querendo ser “a dona do mundo”, ou seja, tudo tem que ser do jeito que ela quer e não aceita as regras impostas pela escola. Ou ainda se é apenas uma saudade da turma antiga, da escola antiga ou no caso das crianças pequeninas da mamãe, da vovó ou da babá.Se for identificado que é apenas uma saudade basta os pais explicarem que tudo na vida tem um tempo e que vão ter situações que deixam saudades mesmo, mas que nesta nova escola também terá várias coisas interessantes que elas vão gostar muito e que um dia terão saudades também.

Mas se for identificada a dificuldade de adaptar-se é hora de saber se ela está sendo percebida pela escola e se a mesma está fazendo algo para resolver este problema. Se não estiver sendo percebido pelo colégio, é hora dos pais exporem a situação. Se a mesma se dispuser a ajudá-los ótimo, se não, hora de reavaliar a escolha da escola e correr atrás de outra.

Por fim, o mais importante é pais e filhos se sentirem felizes com a escola escolhida. E aproveitar ao máximo tudo que a escola oferece. Afinal educação é uma parceria entre família e escola, cada uma fazendo sua parte!

Ótima volta às aulas a todos! Até o próximo post!