A nutrição do bebê, principalmente no primeiro ano de vida, ainda é um grande motivo de estudo e atenção. Esta preocupação existe porque é nesse momento de vida que ocorre um ganho de peso intenso, crescimento na estatura e desenvolvimento neuropsicomotor extremos, necessitando, assim, de um fornecimento de nutrientes de acordo com a idade para acompanhar e suprir o organismo.

O leite materno preenche todas as necessidades nutricionais do lactente até o sexto mês de vida, sendo também recomendado, juntamente com a alimentação complementar, até o segundo ano do bebê. E é no momento do início da alimentação complementar do bebê que surgem algumas dúvidas:
Quando o leite de vaca pode ser indicado para a criança?

A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade da criança, sendo que até o segundo ano o leite materno deve ser compartilhado com outros alimentos saudáveis. A partir de um ano de idade é permitido incluir regularmente na alimentação da criança alguns tipos de queijos e iogurtes (mais naturais e sem açúcar), assim também, leite de vaca, se houver necessidade (e não substituindo o leite materno) e o leite utilizado, independente da marca, deve ser integral.
Até um ano de idade, a criança pode receber fórmulas infantis próprias que devem ser indicadas, no caso da mãe não ter condições para amamentar com seu próprio leite.

Para a criança que não é alérgica, tomar leite de vaca é fundamental durante a infância?

Até os dois anos de idade, a criança é denominada “lactente”, pela necessidade dos nutrientes encontrados no leite. O leite e/ou seus substitutos (queijo, iogurtes) são importantes para o melhor desenvolvimento da criança por esse motivo. Após essa idade o leite também contribui com suas vitaminas e minerais para o crescimento.

Sobre a alergia ao leite de vaca:

As alergias de uma forma geral vêm aumentando sua prevalência na população mundial, como um reflexo da modificação de vários hábitos de vida. E a alergia ao leite tem papel de destaque, já que este é um dos primeiros alimentos a ser introduzido na alimentação infantil. Muitos sintomas parecidos com os da alergia também estão presentes em outras doenças, mas não necessariamente se caracterizam como alergia. E existe também a intolerância ao leite, onde os sintomas podem se confundir com a alergia mas que a evolução da patologia é um tanto diferente. O diagnóstico deve ser realizado por profissional experiente antes de retirar ou modificar a alimentação do bebê.

Quais são os sintomas e tratamento de uma criança com alergia a leite de vaca?

Os sintomas são bastante variáveis e incluem desde a presença de manchas avermelhadas e coceira, com ou sem inchaço de olhos e boca ou podem estar limitadas a sintomas do trato gastrintestinal, como vômitos, diarréia, presença de sangue e muco nas fezes e, por vezes, diminuição do ganho de peso e estatura. A criança com intolerância ao leite, normalmente, apresenta os sintomas de diarréia (mais comum), dor de barriga, inchaço abdominal e diminuição no ganho de peso.
 Foi observado que os bebês que ingerem leite de vaca antes de 01 ano de vida em substituição ao leite materno aumento significativamente as chances de adquirir alergias e intolerâncias.

É importante saber que:

:: O leite desnatado é contra indicado para a criança, pois além de possuir pouca energia, possui deficiência em gorduras essenciais e vitaminas lipossolúveis.

:: Os achocolatados devem ser evitados, ou pelo menos, oferecidos em pequena quantidade. Eles possuem fatores anti nutricionais que podem comprometer a absorção do cálcio do leite.

 :: Evite também acrescentar açúcar e farinhas ao leite. Esses alimentos são muito calóricos e quase nunca nutritivos e são indicados apenas para crianças com risco de desnutrição.

 :: Leite in natura é desaconselhável, pois podem conter quantidade significativa de microrganismos. O leite tipo C deve ser fervido antes de ser oferecido para a criança.