O oferecimento de ovos para a criança é um tema de muitas dúvidas entre os pais. O ovo é fonte de vitaminas importantes e é rico, principalmente, em proteína de alto valor biológico.

O ovo pode ser inicialmente oferecido aos seis meses de idade. Por ser um alimento que pode propagar um processo alérgico, primeiramente, deve-se oferecer meia gema cozida juntamente com a papinha do bebê. É necessário repetir o processo mais duas vezes com três dias de espaçamento observando possíveis alterações. A partir daí pode-se oferecer a gema inteira cozida.

Qual a quantidade pode ser consumida semanalmente por uma criança? 


A quantidade específica de ovos que podem ser oferecidos a crianças não é determinada. Sabemos hoje que o ovo é um alimento muito nutritivo e que não é tão vilão do colesterol. Se foi constatado a não correlação com alergias, o ovo pode ser oferecido com moderação. Lembrando que por ser rico em proteínas, ele pode complementar a carne, mas como não possui o mesmo teor de ferro, é melhor não substituí-la com muita frequência.

Lembre-se também daqueles alimentos que possuem ovos em sua constituição (bolo, bolachas, tortas, etc), então se a criança já faz uso desses alimentos o oferecimento do ovo sozinho deve diminuir.

E o ovo de codorna?

O ovo de codorna, proporcionalmente, possui, em média, o mesmo valor nutricional (sendo que o ovo de codorna possui maior teor de colesterol) comparando um ovo de galinha a cinco ovos de codorna. O que vai diferir muito na qualidade oferecida é o modo de preparo: tente oferecer os ovos cozidos ou preparados com o mínimo de óleo assim estará oferecendo um alimento de qualidade sem adição de gorduras.

Importante!

Os ovos nunca devem ser oferecidos crus à criança em qualquer idade (no caso da gemada e maionese caseira, por exemplo). A legislação recomenda o cozimento do ovo por 7 minutos após fervura para garantir a eliminação dos microrganismos presentes (principalmente salmonela). A contaminação por salmonela pode não ter cheiro ou aspectos característico,s por isso a importância dessa etapa de segurança alimentar (em casa e, principalmente, em restaurantes).

Foto: My persian kitchen