– Tem um bicho no meu cabelo! Tira! Tira! – gritava a menina todinha vermelha.A mãe levantou-se e, soltando um suspiro resignado, foi ver de perto o motivo do escândalo.

– É só um bichinho, Mariana
.

– Credo! Credo! Credo! Como é que ele é? É nojento?

– Não… sabia que ele é até bonitinho?


E Mariana, tapando o rosto para não ver.

– Quê!? Bonitinho!?

– Bonitinho, sim. Ele é pequenininho, vermelhinho e tem umas manchinhas roxo-azuladas.

– Roxo-azuladas?

– É, um azul quase roxo, sabe?

– Ele é molengo?

– Não, mas também não é cascudo igual a besouro.
A menina tira as mãos do olhos e espia o inseto.

– Você vai fazer o que com ele?

– Não sei, Mariana, vou jogar fora, matar, sei lá.

– Mata não, mãe! Peraí, deixa eu ver ele aqui na minha mão.
Ela então vira a cabecinha, olha o bichinho e pede:

– Mãe, põe ele de novo no meu cabelo, por favor?