“Sim, os bebês têm necessidade de leite,

Mas muito mais de serem amados e receberem carinho
Serem levados, embalados, acariciados, pegos e massageados”
LEBOYER


A técnica de massagem indiana Shantala, criada por Frédérick Leboyer e tão difundida no Brasil nos últimos anos, está presente em muitos dos cursos para gestantes de primeira viagem.

Em casa, descobri o quanto as crianças, que se interessam pelos bebês, mas não sabem o limite de força e tipos de brincadeiras que podem realizar sem machucá-los, podem viver um momento lúdico muito importante acompanhando a shantala do irmãozinho/priminho bebê. Numa prática supervisionada, convide outra criança para participar desse momento. As crianças de 2 anos que já brincam de faz-de-conta e gostam de imitar os adultos, vão adorar praticar a shantala em suas bonecas bebês. Enquanto a mãe realiza a prática com o seu pequeno, a criança se diverte em aprender como realizar a shantala em suas bonecas. Este momento de vínculo mãe-filho acaba se estendendo para mãe-filho-irmão, fortalecendo a relação da criança mais velha com o caçula. 
Há muitas mães que desejam ou desejaram introduzir a shantala na rotina da criança, mas relatam insucesso. É preciso escolher um horário ideal. O bebê deve estar saciado, mas não escolha os momentos logo após a mamada, pois há os movimentos de pressão sobre o abdome. Como sabemos, os bebês mamam, brincam e dormem. No intervalo entre a mamada e o sono, inicie a sessão e conclua com um banho relaxante. Perceba que o sono após a sequência será extremamente tranquilo. Encontre um lugar calmo e arejado na casa, de forma que não haja interferência de telefones e outras demandas. A sessão não deve ser interrompida! Dedique-se a este momento! Não tenha medo de manusear o seu bebê, quanto mais você praticar, mais entenderá os limites do seu bebê. 
No terceiro mês de vida, quando o bebê inicia a interação com os pais, com balbucios e sorrisos, eis o momento ideal para introdução desta prática na rotina da criança. É quando ele caminha para a conquista do controle da musculatura que sustenta a cabecinha. Seja breve, sem esquecer dos detalhes nos movimentos. Os bebês nesta idade passam a maior parte do tempo dormindo. Se nos alongamos demais logo ele cairá no sono, e acabamos por comprometer a participação no banho que virá em seguida. A tolerância do seu bebê ao toque pode ser algo que necessite tempo. Há bebês mais tranquilos que aceitarão com facilidade e outros mais inquietos. Persista! Os benefícios compensam. Inspire-se e dedique-se a esta troca entre mãe-filho-irmão. 
Escolha um momento tranquilo e convite o irmãozinho, a irmãzinha ou primos pequenos
Movimento de rotação nos bracinhos :)

Agora na perninha

E também no pezinho do bebê….e da boneca!
Em uma rápida busca na internet, é possível acessar o passo-a-passo para iniciar a prática da Shantala no seu bebê. Para facilitar a vida, veja abaixo alguns links que ensinam a técnica:
Crescer

E para se aperfeiçoar, alguns cursos:
Mãe em curso
Mamare
Cuidar de criança
Senac

Patrícia de Almeida Achtschin – Graduada em Terapia Ocupacional pela UFMG, mãe do Henrique e tia da Sarinha. Não é uma profissional da técnica, mas pratica diariamente com seu bebê.