– Pai, você me dá um cachorro de asa?

– Como assim? É um brinquedo, filha?

– Não, pai, é um cachorro.

– Cachorro de asa? Você viu em um desenho?

– Não, eu vi na rua. E um amigo meu tem.

– E como ele é?

– É peludo, fofinho, bonitinho…

– Tá, mas ele tem asa?

– Não, pai! Ele não tem asa, ele é um cachorro de asa.

– Mas como ele é um cachorro de asa se ele não tem asa, menina?

– O nome dele é que é cachorro de asa, mas ele não tem asa.

O pai então fica calado por alguns segundos e pensativo pergunta:

– Não seria um cachorro “lhasa”, filha?*

Ela, abrindo o sorrisão, respondeu animada:

– Isso mesmo, pai, é esse cachorro “de asa”.

E sem se preocupar com a confusão emendou:

– E aí, você me dá ou não?

* Para quem não sabe, “lhasa” é a maneira como as pessoas chamam os cães da raça Lhasa Apso.