Pergunta simples, porém não muito fácil de responder. Primeiramente, porque atenção é confundida com tempo e com fazer todas as vontades. E segundo, porque cada criança é uma, com demandas e necessidades totalmente individuais.

Um bom termômetro para saber se a atenção dada está sendo suficiente é avaliar as atitudes e o humor da criança. Criança alegre e bem disposta é um ótimo sinal de que as coisas em casa estão muito bem. Em contrapartida, crianças emburradas, tristes, sem ânimo para brincar com outras crianças, que fazem birras com mais frequência, têm problemas com o sono e/ou comida, os pais devem ficar bem atentos para identificarem onde está o problema.

Normalmente, tudo o que as crianças querem é disponibilidade para brincar e para escutá-las. Lembrando que elas falam além das palavras. Às vezes, aquela deitadinha na cama dos pais para assistir um desenho de mãos dadas, ou com a cabeça no colo dos pais, tem um significado muito maior do que horas de conversa.

Dar atenção a uma criança nada mais é do que perceber quais são suas reais demandas e necessidades. Muitas vezes, os pais só escutam aquilo que é dito e não conseguem perceber qual é o verdadeiro desejo do filho. E aí, os entopem de bens materiais e esquecem o essencial, que é o amor, o carinho, o cuidado, enfim, a atenção.Quantas crianças da sua convivência que têm tudo que o dinheiro compra, mas são infelizes, desestimuladas, terceirizadas e não raro com atraso em seu desenvolvimento?

Infelizmente, são muitas e o mais triste é que muitas vezes os pais ainda falam “eu não entendo: este menino tem tudo e só fica com esta cara emburrada”. Ops… tem tudo? Não, ele não tem o essencial, tem apenas o supérfluo que pode ser dado por qualquer um. Mais uma vez, venho reforçar que tudo que a criança precisa é da disponibilidade de seus pais, que estes sejam capazes de perceber o que realmente ela está querendo e, consequentemente, o que ela realmente precisa.

Se você pratica a filhoterapia, ou seja, está 100% disponível para o seu filho durante o período que você pode estar com ele, com certeza você está dando a atenção suficiente. E com isso ele está se tornando um ser humano saudável, seguro e feliz.

PS: apesar de terapia sempre remeter a tratamento, o termo filhoterapia reforça a importância do estar
disponível, do brincar junto, do curtir ao máximo cada fase do seu filho, seja com 1 mês ou com
30 anos – simboliza o amor ao filho.

Crédito de imagem: Favim.com