Demorou, mas levamos nossas pequenas pela primeira vez na odontopediatra. Um momento importante para elas e cheio de expectativas pra gente. Tem tantas pessoas que morrem de medo de dentista por aí, o que mais queríamos era ver Sara e Ciça se divertindo ao mesmo tempo em que aprendiam a cuidar dos dentinhos. Quem atendeu as pequenas foi a tia Mônica Barreto, colunista do Na pracinha.
E foi muito melhor do que esperávamos. Além de estar tudo “nos conformes”, as meninas tiveram um atendimento que as deixou mais interessadas em dar fim “às bactérias”. É como diz a musiquinha: “Sai bactéria, vai embora, na boca da Sara/Ciça, você não mora!”
Da chegada, na sala de espera, até a saída, no “escorregador”, as meninas ficaram interessadas e fomos pra casa felizes em vê-las tão estimuladas com o trabalho de cuidar da higiene bucal.
Por lá, aprendemos sobre a importância do uso do fio dental, quando devemos introduzir a pasta com flúor e qual seria a ideal, quais as regiões devem melhorar a escovação, como está a oclusão das pequenas, se a dentição está completa e a previsão de nascimento dos permanentes.
A consulta ainda foi bastante útil para a Flávia, afinal, sugere-se que a gestante consulte o dentista até o segundo trimestre, e se for de seu interesse, ela pode consultar também uma odontopediatra. Assim como é importante visitar o pediatra que acompanhará a criança antes do nascimento, o mesmo pode acontecer com o odontopediatra, que explicará sobre o processo de nascimento dos dentinhos, os cuidados iniciais e após a introdução da alimentação complementar. Além disso, fará um check up bucal orientando-a, caso necessário, que procure o dentista que já a acompanha.
No final da consulta das pequenas, percebemos que a primeira vez no dentista para uma criança não se resume a apenas aplicação de flúor. É muito importante escolhermos um profissional de confiança e que curta crianças, tenha paciência, afinal, tudo é novidade para elas, não é mesmo?