Estamos completando quase 50 praças e parques visitados na cidade, dá para acreditar?

Todo esse bate perna pela cidade afora nos fez observar, aos poucos, alguns detalhes que podem ser bem úteis para os papais que também topam praticar muita filhoterapia no melhor lugar do mundo – lá fora.

Confere só:

  





:: Horário: o ideal é brincar pela manhã ou à tardinha, evitando o sol quente, que inclusive deixa alguns brinquedos impróprios para o uso. Lembre-se do protetor solar, sempre.





:: Conservação: os brinquedos são públicos, são nossos. Por isso, a conservação deles deve começar conosco. Explique para seu filho que ele deve cuidar do balanço, do escorrega, com o mesmo cuidado que cuida dos brinquedos em casa. 
   




:: Brita: ela está presente na área de brinquedos de alguns parques para diminuir a poeira em locais que não são gramados. É importante deixar claro para as crianças que, assim como as pecinhas de lego espalhadas pela sala de casa dão um trabalhão para guardar depois, o mesmo acontece com a brita que é espalhada pelos parques. Os zeladores agradecem!

  









:: Respeito: há brinquedos, em algumas praças e parques, adaptados para cadeirantes. Vale respeitar o espaço e não deixar os pequenos ficarem subindo sem necessidade, com o perigo de se machucarem.

  


:: Brincadeiras: a praça e o parque já promovem a diversão por si só, mas se quiser levar alguns brinquedos para incrementar o passeio, as dicas infalíveis são: 

a) bolha de sabão – não tem nada melhor para brincar ao ar livre. Os filhotes amam e ela sempre agrega mais crianças ao redor. Experimente levar mais de uma e emprestar para outras crianças que estiverem por lá – você certamente vai presenciar momentos de muita alegria e empolgação.
b) bicicleta e velotrol – vamos aproveitar os amplos espaços! Mas vale observar as restrições em relação a tamanho de bicicleta em alguns parques
c) peteca – uma dupla é suficiente para gastar energia e se divertir
d) bola – hora de usar e abusar do brinquedo que vive cheio de restrições dentro de casa, para não quebrar os enfeites e vidros. Ao ar livre, é para ser usado sem moderação!

  



:: Alimentação: há algumas praças e parques que possuem vendedores ambulantes, como pipoqueiros, baleiros, vendedores de algodão doce. Mas caso não existam – ou caso você prefira investir em um lanche mais saudável no passeio – a dica é simples: água (sempre) + suco natural + biscoitos integrais ou sanduichinhos naturais + fruta (sugerimos uva, banana ou mexerica). Basta isso para um lanchinho saboroso no meio da brincadeira.

  








:: Companhia: deixar de sair pra brincar lá fora por falta de companhia para o filhote é bobagem. Se ele for dos mais tímidos, leve uma bolha de sabão para congregar outras crianças e promover novas amizades. Se a praça estiver vazia, você sempre será uma excelente companhia para seu pequeno. Prepare o fôlego e entre na brincadeira. Esses são momentos únicos para guardar pra sempre da infância de seu pequeno.

  







:: Animais de estimação: se também for levar o cachorrinho para o passeio, cuide para que ele não suje a praça ou o parque (e fique atento se o espaço permite a presença do animal). O exemplo é super importante para os pequenos crescerem observando o cuidado com o espaço que é compartilhado por muitos.

  








:: Disposição: ligar a TV e deitar do sofá, a princípio, sempre será mais confortável. Porém, acredite: quebrar essa zona de conforto, criar coragem e levar os pequenos para brincar lá fora sempre trará uma satisfação infinitamente maior ao final do dia. E você vai agradecer que a TV tenha ficado desligada.

  








:: Praças e Parques: são inúmeras opções pela cidade afora. Confira aqui (http://www.napracinha.com.br/p/pracas-e-parques.html) a lista de passeios que já fizemos e foram super legais.

Vamos brincar lá fora?