Na realidade em que vivemos é muito comum que os pais deixem seus filhos bem novinhos sob a responsabilidade de outros cuidadores, pois precisam trabalhar. E, normalmente, os eleitos para estes cargos são os avós ou as babás. Um grande número de pais hoje só consegue ver seus filhos à noite e muitos só os veem no final de semana.


Sabemos que este tipo de criação não é a ideal e é possível que as crianças passem por ela sem problemas, desde que haja coerência entre a maneira que os pais criam, a que desejam que os cuidadores o façam e como eles o fazem.
Para que esta situação não gere muitos conflitos, é importantíssimo antes dos avós aceitarem ficar
com os netos, ou antes de se contratar uma babá, que haja uma conversa muito franca para se expor tudo o que os pais desejam. Assim, tanto os pais poderão avaliar se aquelas pessoas estão
aptas a cuidarem de seus filhos, quanto os futuros cuidadores terão a oportunidade de falar que não serão capazes de seguir tudo o que está sendo solicitado.

Mesmo que os avós ou a babá fiquem com a criança o dia todo, eles têm que saber que são apenas apoiadores, ou seja, têm a missão de fazer com que as regras e os valores que os pais propuseram sejam seguidas. E se não concordam com algo, devem conversar com os pais antes de mudar qualquer regra por conta própria. Mas têm a obrigação de orientar a criança, de chamar a atenção, enfim, educá-la. Porém, apenas enquanto os pais não estão por perto, pois quando estes chegam, a obrigação é deles.

Havendo este respeito e entrosamento entre genitores e o cuidador, a criança crescerá segura, saudável e feliz. Entendendo perfeitamente que são seus pais os principais responsáveis pela sua educação e que seus cuidadores são apenas colaboradores que possibilitam que tudo aconteça da melhor maneira possível.

Já ouvi vários casos em que os pais demitem a babá, ou não deixam mais a criança com os avós, porque começam a achar que o filho gosta mais dos cuidadores do que deles. E não raro ainda dizem que os cuidadores estavam fazendo a cabeça da criança contra eles. Mas não param para refletir se são eles que não estão cumprindo seus papéis de pais e que naturalmente seus filhos elegeram seus cuidadores como tal. 
Após esta separação, as crianças se tornam agressivas, tristes e os pais insistem em dizer que os cuidadores as mimavam demais e por isso estão insuportáveis. Cuidado! Criança demonstra o que sente da maneira dela. Escute o que ela está falando tanto com as palavras quanto com as ações. Na maioria das vezes, ela fica triste e agressiva porque sente falta de alguém que cuide dela, não que faça tudo que ela quer, mas que esteja disponível para ouvi-la, amá-la e educá-la.

Então, não se sintam culpados por não poderem ficar 24 horas com seus filhos. Programem-se para estar o máximo de tempo possível e quando estiverem juntos, estejam por inteiro.