O Circuito Cultural Praça da Liberdade, além de todos os museus super legais que temos conhecido, conta também com o Palácio da Liberdade, sede histórica de Minas Gerais e antiga residência oficial dos governadores. {Visitamos o espaço em 2014, mas atualmente, ele encontra-se fechado para visitações. Segundo o Circuito Liberdade, as visitas estão sendo reavaliadas. Tomara que abra logo novamente. A gente adorou conhecer.}

Espia só como foi o passeio, que acontecia com visitas guiadas aos domingos – e gratuitamente.

Cresci nessa cidade e nunca havia entrado no Palácio. Não dava para perder a oportunidade e ainda levar a Sarinha pra ter contato com esse lado histórico e cultural de BH. Então, fomos a família toda (incluindo a vovó!) descobrir o que existe por trás de suas grades e altos muros.

A visita é dividida em duas partes: jardim e espaço interno. Quem já visitou o Palácio de Versalhes, na França, sabe que funciona da mesma forma e foi dele mesmo a inspiração para construir o nosso Palácio Mineiro aqui. Bem menor, mas também recheado de importantes histórias.

Iniciamos nosso passeio pelo jardim. Dica: não faça o que fizemos! Especialmente se você chegar cedo, comece a visita pela parte interna do Palácio. Assim, você evita ficar na fila, que vai se estendendo à medida que o horário avança. Quando chegamos, não havia ninguém na entrada, mas após passear no jardim, enfrentamos uma fila que durou um tempinho.

Uma curiosidade: originalmente, a Praça da Liberdade integrava o Palácio – foi construída para complementar o seu jardim (com a mesma lógica do jardim do Palácio de Versalhes). E não existia, portanto, a grade na fachada que separa Palácio e Praça. Ela foi instalada em 68, com a ditadura militar.

O jardim, contudo, tem muitos encantos: espécies diferentes e imponentes, muitas delas plantadas pelos próprios governadores, uma tradição entre os dirigentes de Minas. Há também um lindo orquidário, um lago com cisnes negros e uma pequena gruta que as crianças adoram. Um quiosque todo de cipó compõe o cenário e completa a harmonia.

Depois de passear por todo o espaço aberto, partimos para a visita interna. Fomos organizados em grupos de 10 pessoas – a visita guiada dura em média 50 minutos.

Logo no início, o guia passa as instruções de visitação – nada de flash nas fotos, não pisar onde estiver isolado, não tocar nos objetos. Achei que Sara fosse se entediar rapidamente, mas para o meu espanto, ela curtiu do início ao fim, curiosa.

No primeiro ambiente encontra-se a famosa escada que veio da Bélgica, em estilo art nouveau, presente do Rei desse país. Mas o mais interessante, é que ela foi produzida para ser montada no Palácio como um brinquedo Lego, com encaixes. E os detalhes decorativos servem para disfarçar os parafusos, que são inúmeros. Os degraus ainda apresentam o mármore carrara original, de 1897.

Já as paredes, nos enganam. Revestidas com “lindas pedras de mármore” são, na realidade, uma simulação: trata-se de uma elaborada pintura. O Palácio sofreu em 2013 uma importante restauração que mostrou o revestimento original em muitos pontos. Onde não foi possível restaurar por completo, podemos ver “janelas de restauro” – detalhes na parede que mostram a antiga pintura do local.

Também conhecemos o Salão do Banquete. São 36 lugares em uma enorme mesa de jantar. Curiosidade: no ano passado, o então governador Antonio Anastasia recebeu as candidatas a Miss Brasil neste espaço. Elas foram orientadas a não irem de salto de ponta fina, para não estragar o piso do local (tive que procurar uma foto dessa ocasião – e não é que as moças estavam todas de sandália plataforma?).

O Palácio tem obras de arte em toda a parte e com o recente projeto museográfico, diversas mídias digitais foram instaladas entre os móveis, ajudando a contar a história do estado. São TVs que apresentam governadores discursando e quadros emoldurados digitais. A República é representada inúmeras vezes, nas pinturas e esculturas, em gênero feminino, a chamada Marianne. O espaço é repleto de histórias e detalhes.

Antes de concluir a visita, passeamos por uma enorme galeria representando
todos os governadores que já estiveram à frente de Minas Gerais. Também conferimos um grande painel com a
linha do tempo do Governo de Minas e um mapa indicando todos os espaços do Circuito Cultural Praça da Liberdade.

Vamos programar um passeio?

Uma fonte que encanta 🙂
Plantar árvores é uma tradição entre os governadores de Minas Gerais.
A Palmeira de Bismarck foi plantada por um deles.

 

 

Quantas orquídeas!

 

 

Vamos no quiosque!

 

 

Encontramos uma gruta, vamos entrar?

 

Passear em família é bom demais!
Que vista mais linda 🙂
Lago com cisnes negros
No jardim, bos estrutura para receber os visitantes – banheiro e bebedouro

 

O espaço é sinalizado – onde vamos agora, Sarinha?

 

Xiii – devíamos ter vindo na parte interna primeiro – olha a fila 🙁
A linda escada produzida na Bélgica e montada como Lego 🙂
Parece, mas não é: a parede simula pedras de mármore, mas são pinturas 🙂

 

Mistura de estilos e no alto, esculpida, a imagem de Marianne – a República

 

Piso delicado original – nada de salto sobre ele!

 

Onde não foi possível restaurar, podemos ver algumas “janelas” que nos contam como era essa parede originalmente

 

O imponente Salão do Banquete – onde o governador recebeu as candidatas a Miss…
… que usaram sandália plataforma para não estragar o piso – reparem o detalhe!

 

Uma das pinturas que utiliza a técnica 3D – não é lindo?

 

Curiosa, atenta à história de um dos quadros digitais

 

O dormitório do governador – que foi criado, na realidade, para receber o Rei e a Rainha da Bélgica em sua visita ao estado

 

No final da visita, a galeria com os governadores

 

E um mapa completo do Circuito Cultural Praça da Liberdade – em breve vocês conferem mais passeios!
O que tem de bom por lá:

 

:: um jardim fantástico
:: boa estrutura e limpeza
:: muita cultura e história de Minas Gerais 

UPDATE: O Palácio encontra-se em reforma e a visitação está suspensa. (28/04/15)

Veja como chegar: