“Sou hoje um caçador de achadouros da infância.
Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos.”
Manoel de Barros (contribuição da nossa querida colunista Thais Alencar)

Esta é uma pracinha que passeamos com frequência, e pelas fotos, podemos até acompanhar o crescimento da Ciça ao longo do tempo… Localizada no bairro Castelo, a praça é frequentada pelos moradores da região. Mamães, pais, madrinhas, avós e babás levam as crianças diariamente para brincar por lá, então, sempre vemos turminhas curtindo o espaço. Inclusive, há um grupo especial de mamães – As mães do Castelo – que promovem piqueniques e encontrinhos sempre.

A praça é muito grande, porém, encontramos poucos bancos para contemplação, o que é uma pena. Há  também poucas mesas para jogos. Na área onde ficam os brinquedos (que são poucos e precisam de manutenção) foram instalados os equipamentos da Academia da Cidade, fazendo com que as crianças considerem os mesmos como opções para se divertirem, o que não é legal – afinal, eles não têm esta finalidade e nem são adequados para isto, né?

A falta de brinquedos é compensada pelo amplo espaço para brincar, seja de bola, de bicicleta, triciclo, carrinho, boneca etc… A praça tem enfrentado alguns problemas quanto à limpeza e conservação. Além disso, pelo gramado encontramos muitos formigueiros (A praça é adotada por uma empresa de cosméticos regional, então, pessoal, vale a manutenção, né?). Também vemos muitos cães circulando com seus donos, alguns respeitando as recomendações, outros, nem tanto.

Muito espaço para curtir

Muita área com sombra

A diversão rola solta pelo gramado

O parquinho virou academia :(
Brinquedos que precisam de manutenção

Um dos piqueniques promovidos pelas Mães do Castelo <3

Muitas mamães se encontram por lá diariamente

O que tem de bom por lá:
:: Muito espaço para brincar
:: Academia da Cidade
:: Fonte de água potável

O que precisa melhorar:
:: Manutenção da limpeza e da conservação
:: Respeito dos donos dos cães em seguir as recomendações de focinheira e coleira
:: Segurança – falta a presença de guardas municipais

E, para completar, a pracinha do Castelo na opinião de mamães que curtem passear por lá :)

“De repente, me vi mãe, nova num bairro em que não conhecia ninguém, nenhum parente por perto. Na época ainda estava de licença maternidade e durante o dia todo, ficava só com meu bebê, João Pedro. Sentia falta de conversar com outras pessoas, sair do virtual para o real! E eis que um belo dia passeando de carrinho pelo bairro, encontrei a pracinha… Cheguei timidamente, e aos poucos comecei a conversar com outras mamães e babás que a frequentavam todas as manhãs, desabafos começaram a ser feitos, experiências trocadas, e vi o quanto havia mães que como eu, viviam as maravilhas e fragilidades da maternidade… Já participava de outros grupos virtuais de maternidade, mas resolvi criar o “Mães do Castelo” para termos um contato mais próximo, marcarmos encontros, piqueniques e partilharmos nossas mazelas, dúvidas, indicações de serviços pelo bairro, e foi aí que tudo começou… Hoje em dia, o grupo tornou-se uma grande família. Diariamente, tem alguém do grupo na pracinha com sua toalha estendida na grama ou correndo atrás de seus filhos… Gostamos muito de nos reunir na pracinha, seja para nossos constantes piqueniques, comemorações de aniversário, festas, ou até Chá de Fraldas que já fizemos lá… O ruim é que a pracinha não está bem cuidada, muitos cães, sujeira espalhada e sempre tem algum brinquedo estragado, mas nada disso nos impede de estarmos sempre por lá! E é na pracinha que o “Mães do Castelo” tem se tornado a cada dia um grupo mais real do que virtual! Hoje em dia, amo o bairro, pois sempre acreditei que gostamos mais das coisas com as quais criamos vínculo!”

Vanessa Souza, mãe do João Pedro

               
                                                                                                                                                           “Quando a gente se torna mãe pela primeira vez, a gente passa por um momento muito lindo, mágico

mas ao mesmo tempo difícil! Assim, não poderia ter sido diferente comigo! Tendo vivido o tempo todo uma vida aonde eu ia e vinha sem hora marcada, independente e sem ter que dar satisfações para ninguém, me vi, de repente, presa em casa e sozinha! Porque apesar de estar 24 horas acompanhada da criaturinha mais doce e linda desse mundo, a mãe se sente muito sozinha nos primeiros meses do bebê! Durante um tempo me resignei e aceitei minha nova rotina, solitária e isolada num pequeno apartamento tendo como companhia um bebezinho fofo que mal balbuciava ou interagia, mas que, apesar disso, não me dava um minuto sequer de sossego! (…) Pra ser bem sincera eu nem me lembro como foi que, de repente, eu me vi participando de uma grupo no Facebook chamado “Mães do Castelo!”. Só sei que lá estava eu, em meio a burburinhos de piqueniques, pracinhas e encontros de mamães! Uhu! Muito me interessava, ainda mais sendo no meu bairro! Num primeiro momento confesso que fiquei com medo! Já havia tentado me encontrar e interagir com outras mamães de primeira viagem e os encontros tinham sido um tanto quanto frustrantes! Todas elas relatavam ter bebês perfeitos… Todos bebês anjos, menos o meu! Nesse tempo eu me cobrava, e me comparava… Então, óbvio, me senti péssima: um alien, um peixe fora da água, ou ainda, a pior mãe do mundo! Então, antes de partir pros passeios na pracinha fiquei com receio de passar novamente por essa experiência sendo que na verdade tudo que eu estava procurando, além de poder ver a luz do dia, era apoio, ombro amigo e palavras de encorajamento! Eu procurava pessoas vivendo o que eu estava vivendo e querendo a companhia que eu também queria! Então, mesmo com medo, lá fomos minha ansiedade, meu bebê “problemático” (segundo as mamães perfeitas), minha timidez, eu e o meu típico atraso pro meu primeiro piquenique das Mães do Castelo! Como eu estava atrasada, fiquei morrendo de vergonha olhando as mamães de longe! Não é que parecia divertido? Não é que elas tinham vida?! E não é que os bebês também pareciam super bem? Fui pra casa decidida que, da próxima vez eu me apresentaria e participaria daquele vuco-vuco! Na semana seguinte lá fomos nós de novo: o bebê, muito menos timidez, muito mais vontade de fazer parte daquilo, um bolo chinfrim de padaria, o meu atraso (alguém consegue chegar na hora tendo que arrumar tudo do bebê!?) e Eu! Passei a ir frequentemente na pracinha. No começo a interação com as outras mamães não passava de um tímido bom dia…um sorriso… e por aí vai! Acontece que, como dizem, coração de mãe é mesmo uma coisa linda… SEMPRE cabe mais um! As mães da pracinha abraçam todo mundo que vai chegando e se aconchegando! Aos pouquinhos fui fazendo parte daquela família imensa, de mamães e bebês e crianças, e vez em quando papais também! Hoje sinto que eu coube direitinho lá nesse grande coração que é o grupo que frequenta a pracinha, assim como muitas mamães cabem, ao seu modo, no meu coração! Algumas conheço só de nome, pois além dos encontros na pracinha, temos o grupo no whatsapp! Algumas tô doida pra conhecer pessoalmente! Outras já tive o privilégio de conhecer! E o bacana é que essas mães são mães da vida real, e não de comercial de margarina! Mães que dividem vitórias e fracassos, conquistas e dificuldades, segredos e soluções! Que se gabam pelas coisas boas mas não tem vergonha de expor as coisas ruins da maternidade! A gente conversa de manicure, a receitas! De festas a indicações médicas! Hoje em dia eu consulto mais as mães do Castelo que o Google! E a pracinha se tornou o nosso QG! O bat-local! O point! E lá mesmo a gente multiplicou o espaço: serve de academia (sim! As terças e quintas a gente faz ginástica em grupo e junto com os babys!), serve de casa de festa (já rolou festa junina, chá de bebê, aniversário!), serve de escolinha (já rolou aulinha de musicalização e contação de histórinhas!) , serve de tapete pros nossos pequeniques e serve pra tudo mais que a gente vier a imaginar! Eu agradeço muito à Vanessa, que me inseriu nesse contexto e que mobiliza tanta energia boa e gente bacana pra fazer parte desse grupo e agradeço a Deus a oportunidade de morar num bairro aonde eu tenho essa alternativa de lazer pra mim e pro meu bebê! Fazer parte disso tudo deixou a minha vida muito mais ocupada, divertida e colorida e tornou a maternidade e o pós-parto muito mais leves! Vida longa à pracinha do Castelo, às mamães do Castelo e a todas as amizades que por meio disso tudo se formaram!” 
Emamanuella Fraga, mãe do Vítor, escreve em http://mamaetbchora.blogspot.com.br/

Quer conhecer?


Exibir mapa ampliado

#repost
Primeira publicação Abril/13
Post atualizado em Agosto/14