Em outro momento vimos ações que devemos evitar, pois têm o efeito de desestimular o apetite das crianças. Existem então ações que estimulam esse processo? Sim, algumas mudanças de atitude na rotina familiar podem ajudar muito em melhorar a alimentação dos filhos, diminuir o estresse desse momento e garantir uma alimentação saudável para toda a vida:

:: Crie uma rotina em casa: uma rotina deve ser estabelecida no dia a dia da criança ou bebê. Essa rotina pode ser anotada e deixada à vista para que todos que ficam com o bebê possam seguir (vovós, babás, mãe, pai etc). A rotina deve conter as atividades realizadas (dormir, soneca, parquinho, escola, etc) e também o momento da alimentação (mamada, lanche, almoço, jantar etc).

:: Seguir a rotina definida: ao estabelecer uma rotina, ela deve ser seguida ao máximo, por isso é aconselhável não oferecer alimentos fora do horário (beliscar) ou propor atividade no momento da soneca, por exemplo. Lembrando que a rotina tem maleabilidade razoável, por exemplo: o bebê pode acordar mais cedo, então seus horários podem ter pequenas variações naquele dia. É interessante manter a rotina aos finais de semana também (principalmente de sonecas e de alimentação).

:: Dê o exemplo: a criança só vai seguir uma boa alimentação se essa for praticada em casa também. Não adianta oferecer suco e beber refrigerante. Os adultos são o modelo e quanto mais a família realizar atividades saudáveis, mais facilmente a criança vai se adequar. Sempre que possível, fazer as refeições em conjunto.

:: Ter uma comunicação estreita com a escola: a escola é o ambiente propício para o estímulo a uma alimentação saudável, já que é um ambiente de aprendizagem. É muito importante os pais se informarem se esse estímulo está sendo utilizado e de qual forma. E sempre auxiliarem nesse processo (se a escola proíbe guloseimas: não enviar no lanche. Se a escola promove atividades: incentivar e obter os resultados).

:: Não comprar o que a criança não deve consumir no dia a dia: a tentação é grande! Mas evite ao máximo ter em casa aqueles alimentos que não são saudáveis (salgadinhos, bolachas recheadas, refrigerante, doces etc). Nenhuma criança precisa desses alimentos para seu desenvolvimento e quando os consomem, provavelmente estão substituindo por outros alimentos saudáveis.

Quanto mais cedo a família estabelecer esse processo, mais fácil o bebê e a criança se adequarão. O resultado disso é, com toda certeza, uma rotina familiar mais agradável, com menos ansiedade e consequentemente a criança responderá a esses estímulos com melhora no apetite, no desenvolvimento do processo atual e também durante toda sua vida. A família toda só tem a ganhar!