Olá mamães e papais, tudo bem?

Hoje vim trazer um tema que tenho certeza que é interesse de todos: a criança e a pega do lápis.

Aposto que você, que tem filho entre três e cinco anos, convive com a descoberta e o uso dessa habilidade tão importante para a nossa vida, que é escrever.

Tenho sido procurada por professoras do ensino infantil que se preocupam com a maneira com que as crianças pegam no lápis, pois sabem que isso vai repercutir na qualidade da escrita mais para frente. É fantástico elas terem essa visão e pedirem ajuda para uma profissional da área, pois sabemos que muitas crianças podem demorar um pouco mais ou ter alguma dificuldade com essa tarefa. Se percebemos isso mais cedo, podemos ajudá-los antes e prevenir agravos.

Neste primeiro post, vou contar um pouco sobre como e quando desenvolvemos essa habilidade para que vocês reconheçam quando a criança pode precisar de uma “forcinha” nessa parte. No próximo post, vou dar dicas de como estimular a pega do lápis de maneira correta.

A maior parte das crianças, consegue segurar um giz de cera e rabiscar num papel por volta dos 12 ou 13 meses. Depois, entre os dois e os cinco anos de idade, os pequenos ficam cada vez melhores em escrever e desenhar. Nesse tempo, também aprendem a colocar algumas letras juntas e, depois, a escrever o próprio nome.

A coordenação motora fina se desenvolve gradativamente ao longo do primeiro ano de vida. No final dele, a criança já é capaz de segurar um giz de cera mais grosso e fazer pequenos rabiscos. Vale lembrar que esse tempo pode variar de criança para criança. Tudo bem se o seu filho demorar mais algumas semanas pra fazer isso. Até os 16 meses, boa parte das crianças já fazem muitos rabiscos que vão se aprimorar até os 3 anos, quando eles já sabem até colorir um desenho.

Entre três e quatro anos, a criança já consegue pegar o lápis fazendo o que chamamos de pinça trípode, usando os três dedos (polegar, indicador e dedo médio). Aos seis e sete anos, é esperado que elas segurem no lápis usando a pinça trípode com bastante destreza e dinamismo.

Agora que sabemos as etapas dessa habilidade, fica mais fácil respeitar a criança no seu tempo e identificar quando ela pode estar tendo alguma dificuldade. É importante oferecer oportunidades para que ela pratique de acordo com o que consegue na sua idade e que não subestimemos suas capacidades! 😉

Beijos,

Mari Lacerda