Ao estabelecer o início da alimentação complementar, é interessante estabelecer também, aos poucos, uma rotina do bebê. Esse processo auxilia muito o apetite e, assim, uma melhor aceitação da alimentação.

Aos sete meses de idade, a papinha do bebê pode já pode conter: arroz, massinhas, fubá (polenta, angu) – mas ainda evitamos alimentos duros e secos. A papinha muda de textura para menos homogênea e menos amassadinha.

Esse processo é contínuo. Com 12 a 18 meses, o bebê pode estar se alimentando da comida de casa (mas ainda evitando excesso de secos e duros).

:: Por que é tão importante essa transição?
Do nascimento até os seis meses, o bebê recebe apenas líquido e os alimentos amassados constituem sua adaptação para a comida da família. Ao oferecermos a papinha (de frutas ou legumes com carne), conseguimos também garantir o aporte calórico, ou seja, quando o bebê consome, nessa fase, alimentos apenas picados, ele rapidamente se sente satisfeito e a quantidade consumida nem sempre atende suas necessidades. Há também dificuldade em mastigar diminuindo mais ainda a energia.

:: Posso oferecer alimentos picadinhos para o bebê?
Os alimentos picadinhos podem ser oferecidos a partir da fase em que o bebê consegue sentar e pegá-los (oito meses aproximadamente). A melhor forma de oferecer é juntamente com a papinha: durante o momento das refeições, deixe à mãozinha pedaços de legumes e frutas macios, assim incentivamos sua curiosidade de experimentar. O mesmo processo pode ser feito no horário de oferecer a fruta.

:: Quando posso oferecer pães, bolos, biscoitos e farinhas?
De preferência, ofereça os pães, bolos, pão de queijo etc, após 11 meses a um ano de idade. Sempre prefira frutas no lanche. O pão de leite, bolo simples e outros alimentos desse grupo que não possuem excesso de açúcar ou gordura, podem ser introduzidos no lanche, mas sempre em conjunto com a fruta.

As farinhas não devem ser oferecidas. Elas possuem excesso de açúcar, são engordativas e não possuem nenhum benefício para os bebês com peso dentro da faixa de normalidade.

Aos dez meses, o bebê estará fazendo dois lanches (meio da manhã e meio da tarde) e duas refeições (papa de almoço e jantar) e ainda em aleitamento materno pela manhã e à noite. Se a mãe estiver em casa, o lanche da manhã ou tarde pode ser substituído por leite materno.

:: Com um ano de idade o esquema alimentar do bebê deve ser:

Ao acordar: leite materno.
Após aproximadamente 2 horas: café da manhã.
Após 2 horas: lanche da manhã. Esse lanche da manhã só será necessário se o bebê se levantar muito cedo.
Após 2 horas: almoço.
Após 2h30 horas: lanche da tarde.
Após 2 horas: jantar.
À noite: uma ou duas mamadas (depende da hora do bebê dormir).

Observações:
– O café da manhã nessa idade já pode ser completo: frutinhas picadas ou semi amassadas + pãozinho de leite com requeijão ou geleia sem açúcar, por exemplo.
– A textura do almoço deve acompanhar a evolução do bebê: levemente amassada ou já inteirinha.
– Lanche da tarde: frutinhas picadas ou idem café da manhã (se o lanche for completo, colocar o jantar um pouco mais tarde).
– Jantar: idem almoço ou sopinha completa (com todos os grupos alimentares já explicados).
– E, claro, a água deve ser oferecida durante todo o dia.

É comum, após um ano de idade, os pais “liberarem” a alimentação dos filhos. Essa fase é um pouco menos trabalhosa, pois o bebê já acompanha o ritmo e a maioria dos alimentos da família, mas é importante não oferecer alimentos doces, industrializados, gordurosos (bolachas com recheio, nuggets, iogurtes açucarados, entre outros) pois além de não contribuírem com a nutrição adequada, são engordativos e ainda alteram o paladar do bebê (as frutas e legumes ficarão “sem graça”) mudando suas preferências: muito cuidado!

A partir de um ano, a saladinha crua e cozida também pode ser inserida no pratinho do bebê. Sempre colorida e com muita variedade.

Criança que se alimenta bem tem mais saúde e se desenvolve melhor.

Veja também: