Esse laranja tá mais para limão, mamãe!

 

Quando Olívia completou 6 meses, um novo ciclo se iniciou com a IA. Ainda mamando, o LM permaneceu como seu principal alimento, mas introduzimos as frutas e depois a papa salgada.

O segundo filho nos permite experimentar mais, e a primeira coisa que eu fiz foi ler bastante, ouvir opiniões para definir sobre a papinha e o BLW (Baby – led Weaning) – um método de IA sem papinhas, que se oferece ao bebê alimentos em pedaços grandes para que ele se alimente. No BLW, ele pode pegar, morder, chupar, experimentar, criando uma relação íntima com o alimento e o ato de alimentar, e o processo torna-se natural, progressivo.

Enfim, decidi fazer de forma mais instintiva, promovendo a experimentação e medindo com o tempo o que funciona para Olivia ou não, seguindo as orientações da pediatra e também da nossa colunista, a nutricionista Laura Rangel – importante: o que funciona para a minha bebê pode não funcionar para o seu, por isso, é muito importante que siga a orientação médica ;)

O primeiro passo então foi experimentar as frutas in natura. Ou seja, nada de suco. Sem suco? Sim! Quando a gente faz o suco, ingerimos mais frutose (o açúcar natural da fruta) e perdemos as fibras contidas in natura e com isso aumenta-se o índice glicêmico. A pequena irá experimentar a fruta em forma de suco a partir de 01 ano de idade, caso eu permaneça amamentando. Conhecendo as frutas, o bebê tem contato com a textura e o saber real da mesma – vale dar uma lida no Manual de Orientação de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatra (acesse aqui)

Começamos com as mais doces: banana prata, pêra, maçã e mamão papaya. Ofereci repetidamente a mesma fruta por 3 dias, no intervalo da tarde, em substituição a uma das mamadas – pode ser pela manhã também, mas no caso de Olivia, ela tira uma soneca extensa nesse período – para observar a receptividade e se haverá reação alérgica.

A primeira fruta foi a banana prata e junto com a pêra portuguesa foram as de melhor receptividade. A quantidade a ser oferecida depende da receptividade do bebê. Por aqui, iniciamos com meia fruta e em uma semana de IA temos mantido essa quantidade, pois Olivia ainda deixa sobras.

Dicas 

:: Evite frutas cítricas, pois é mais adequado aguardar o bebê se acostumar com a alimentação. O abacaxi também deve ser evitado, pois é alergênico e causa aftas em muitas pessoas. Caso introduza o morango, opte pelo orgânico, pois é uma das frutas de maior índice de presença de agrotóxicos.

::  Ofereça uma variedade de frutas, pois assim conseguirão todas as vitaminas, minerais e as fibras, além de incentivar as experimentação.

:: É importante ficarmos atentas a algumas características das frutas, por exemplo, a banana é uma fruta obstipante – tende a prender o intestino, e o mamão, laxante, então, lembre-se de oferecê-las com espaçamento de dias quando o bebê já estiver aceitando as frutas torna-se muito importante.

::  Tenha paciência, é muito comum o bebê recusar os primeiros alimentos. Não insista muito, torne a introdução um processo agradável e não traumático ;)

Em breve, compartilharei mais da minha experiência sobre esse processo tão importante para o bebê.

……………………………..

 

“Por que esperar 6 meses para introduzir os alimentos sólidos pros bebês?

Antigamente a recomendação era iniciar a introdução dos alimentos aos 4 meses, porém, isso mudou e agora  é que seja feita aos 6 meses. Infelizmente, muitos profissionais não respeitam essa importante mudança, unidos a falta de atualização e ao desespero de muitas mães voltarem ao trabalho por causa do fim da licença maternidade. Razões pra você esperar até os 6 meses pra introduzir a alimentação de seu bebê:

1. O intestino do bebê precisa estar desenvolvido

Os intestinos são a parte do corpo que filtra, peneirando as substâncias potencialmente perigosas e permitindo os nutrientes saudáveis. Nos primeiros meses, esse sistema de filtração é imaturo. Entre 4-6 meses o revestimento interno do intestino do bebê passa por um processo de desenvolvimento chamado fechamento, onde o revestimento se torna mais seletivo sobre o que pode ou não passar. Por volta de 6-7 meses de idade, os intestinos do bebê estão maduros e capazes de filtrar os alérgenos mais ofensivos. Por isso que é tão importante esperar a introdução de alimentos sólidos particularmente se existe uma historia de alergia alimentar na família do bebê, o que demonstra uma tendência do bebê desenvolver alergias também, e prestar muita atenção quando oferecer os alimentos aos quais outros membros da familia são alérgicos.

2. Bebês jovens tem reflexo de propulsão da língua

Nos primeiros 4 meses, a língua tem um reflexo de propulsão para proteger os bebês contra engasgo.
Quando qualquer substância incomum é colocada na língua, automaticamente empurra para fora e não para dentro. Até os 6 meses de idade esse reflexo diminui gradualmente, dando ao primeiro cereal ou fruta uma chance de entrar no estômago e não ser rejeitado pelo reflexo da língua. Não somente essa parte inicial do trato digestivo (língua, boca) não está pronta para sólidos, como também a parte final (estômago e intestinos) também não estão “prontos”.

3. O mecanismo de engolir do bebê é imaturo

Outra razão para não ter pressa na introdução de alimentos sólidos é que a língua e o mecanismo de engolir podem não estar prontos para funcionar juntos.
O bebê não tem um bom controle da mastigação e a direção para engolir, o que vai ser desenvolvido entre 4-5 meses de idade. Nessa fase o bebê desenvolve a habilidade de mover a comida do começo da boca para o fundo ao invés de deixar a comida flutuar em todo lugar e cuspir boa parte disso. Antes dos 4 meses de idade, o mecanismos de engolir do bebe é feito para trabalhar com sugar, mas não mastigar.4. Bebês precisam ser capazes de sentar

É importante que o bebê se sente num cadeirão de comer, uma habilidade que a maioria dos bebês desenvolvem por volta de 5-7 meses. Segurar um bebê na posição tradicional de mamar não é a melhor maneira de introduzir papinhas, porque seu bebê vai achar que vai ser amamentado (ou tomar mamadeira) e vai achar que algo esta errado e vai provavelmente rejeitar a comida.

5. Bebês novos não são capazes de mastigar

Dentes raramente aparecem antes de 6-7 meses, outra evidência forte de que os bebês muito novinhos são designados para sugar e não mastigar. Nos estágios pré-dentes, entre 4-6 meses, bebês tendem a babar, e a saliva que ele baba é rica em enzimas, que ajudarão a digerir as comidas sólidas que virão em breve.

6. Bebês com mais de 6 meses gostam de imitar pais ou quem cuida deles

Por volta dos 6 meses de idade, bebês gostam de imitar o que vêem. Eles vêem você comer um legume e desfrutar com isso. Eles querem pegar um garfo e fazer o mesmo.”

Pra ler o artigo completo, clique aqui.

                                                             ……………………………..

Quer saber mais sobre IA? Leia a coluna da nutricionista Laura Rangel aqui.