O sarampo é uma doença infecto-contagiosa grave, transmitida por um vírus, através das secreções respiratórias. O sarampo foi considerado erradicado no Brasil no ano de 2000. Porém, nos últimos dois anos, temos visto um aumento preocupante no número de casos registrados no país. O sarampo está presente em diversos países, inclusive os EUA. Como hoje há uma facilidade de deslocamento das pessoas entre as nações, há também uma maior preocupação com a disseminação da doença novamente por aqui. 

Recentemente, houve um surto de sarampo na Califórnia, onde transitam pessoas do mundo todo. O sarampo é uma doença altamente virulenta, ou seja, de fácil contágio. Basta um indivíduo contaminado para infectar dezenas de outras pessoas. Outro fator importante para a disseminação da doença é o movimento antivacinal, importante nos EUA, mas, felizmente, com menos projeção no Brasil. Muitos dos casos registrados no Brasil entre 2010 e 2014, são de indivíduos que se contaminaram fora do país. Como o período de incubação da doença pode ser de até três semanas, as pessoas transitam livremente e disseminam o vírus sem ao menos terem ainda manifestado os primeiros sintomas.

Conhecido pelas manchas vermelhas no corpo, o sarampo causa febre, grande mal estar, prostração e pode complicar com quadros de pneumonia e encefalite (inflamação no cérebro), sendo mais grave entre as crianças menores de dois anos. A vacina contra o sarampo está disponível nos postos de saúde e a sociedade brasileira de pediatria preconiza que sejam administradas duas doses, sendo uma aos 12 meses e outra entre quatro a seis anos de idade.

Manter a caderneta de vacinação do seu filho em dia é um ato de amor não só a ele, mas também a todos os indivíduos de sua comunidade.