Sophia se surpreende muito quando eu conheço alguma música nova. Basta tocar no rádio ou na televisão e, se eu cantarolo um pedaço da letra, ela logo vem com o espanto de quem viu um hipopótamo rosa de 7 patas: “VOCÊ CONHECE ESSA MÚSICA!?”.

A incredulidade dela seria cômica se não fosse humilhante. Sinto-me como um homem das cavernas que causa espanto ao lidar tranquilamente com um iPad. Como pode esse velhote conhecer as músicas que EU gosto?

E nem adianta explicar que eu tenho 43 anos e que isso não é exatamente velho. Ela me olha com um mix de piedade e divertimento de quem ainda tem 9 anos e uma vida inteira pela frente até chegar à minha idade.

A sensação ruim dura pouco, é claro, porque nada de ruim dura muito com Sophia. Pouco depois, durante o para casa, faço alguma brincadeira ou piada e ela logo vem fazer o nosso aperto de mão especial, sorrindo como quem está brincando com um coleguinha e diz:

– Pai, você é muito legal!

Pronto, já me sinto com 43 anos de novo. Talvez até um pouco menos.