Com as pesquisas cada vez mais avançando na área da medicina, precisamos ficar atentos a momentos que são únicos.  Você provavelmente já ouviu falar nas células-tronco do cordão umbilical. E da importância de seu armazenamento em banco específico para futura utilização caso necessário. Ou já soube de alguém que fez doação da medula óssea. O que poucos sabem é que o dente de leite é fonte de células-tronco. As pesquisas são recentes, mas determinantes. E o benefício se estende aos familiares do doador.

Cada criança, a partir dos 2,5 a 3 anos de idade, passa a ter 20 dentes de leite. A troca dos mesmos pelos dentes permanentes ocorre entre os seis e 12 anos de idade. Dentro deste período, se a família fizer opção por armazenar o material do dente, deve se informar a respeito. O odontopediatra está apto a auxiliar na coleta, mas também pode ser realizada pela própria família.
Um centro de tecnologia celular especializado em coletar, processar, isolar, expandir e disponibilizar células-tronco, reconhecido pela ANVISA, deve ser contratado. E a partir daí você será orientado a como proceder. Em resumo, a família recebe um kit próximo à data em que o dente alvo estiver para cair. Assim que o mesmo for extraído ou se soltar naturalmente, deve ser inserido em líquido e recipiente próprios, que manterão o dente nas condições adequadas para a finalidade a que se propõe. E o banco deve ser comunicado para que providencie o transporte do mesmo o mais rápido possível para o destino. Um só dente de leite terá as células tronco multiplicadas e poderá ser usado pela família em mais de um caso se desejado. Assim como já ocorre com o cordão umbilical, o dente de leite terá o tratamento necessário para que as células-tronco fiquem armazenadas pelo tempo desejado. 
As células-tronco comprovadamente podem ser usadas para o tratamento de doenças do sangue, tais como: leucemias, linfomas e anemias malignas. E no mundo há mais de 300 doenças degenerativas sendo estudadas, estando em fase adiantada, com resultados animadores, casos específicos de paraplegia, Mal de Parkinson e Alzheimer.
Porém, devido a ser muito recente, a liberação de cada uso das células-tronco para tratamento deve passar antes pela ANVISA e Conselho Federal de Medicina. Casos isolados têm sido autorizados. Precisamos de segurança e comprovação científica para que em torno de 5 a 15 anos isso se torne rotina. A medicina está em constante evolução. As descobertas relacionadas com as células-tronco são relativamente recentes. 
Guardar o dente de leite vale a pena ser pensado entre os familiares. Poderíamos dizer que é um seguro saúde a longo prazo. Se seu filho ainda é pequeno, ainda dá para esperar para guardar o molar de leite, que cai em geral após os dez anos de idade. 
Informe-se www.ccb.med.br/site/ccb, pesquise, pergunte para seu médico de confiança, e faça contato conosco para quaisquer dúvidas. Cada família uma realidade. Mas é bom a gente ir ficando antenado!