Uma das maiores dúvidas que a família possui é quando introduzir esses alimentos. A dificuldade vem por tanta controvérsia sobre o assunto. E hoje, com as pesquisas tão avançadas, o que está valendo?

OVO: o ovo pode ser introduzido a partir de seis meses de idade, em pequenas porções e em dias alternados. Ele pode ser dado inteiro (gema e clara) e bem cozido (nunca ovo mole ou gema crua). Lembrando que outros alimentos também possuem ovos em sua composição, como as massas. Na refeição do bebê, o ovo pode substituir a carne ou complementá-la (diminuir a quantidade de carne se for oferecer alguma preparação com ovo).

GLÚTEN: os alimentos com glúten (presente principalmente na farinha de trigo) podem ser oferecidos a partir de seis meses de idade, após a fase inicial de adaptação dos alimentos (que dura aproximadamente uns 15 dias). Lembrando que a alimentação do bebê até um ano de idade deve ser o mais natural possível, com frutas, legumes e carne. Alimentos de padaria devem ser evitados ao máximo. Quando falamos que o glúten pode ser inserido, estamos nos referindo principalmente às massas utilizadas nas papinhas. Os pães, bolos e biscoitos devem ser introduzidos um pouco mais tarde.

PEIXE: o peixe também pode ser oferecido a partir de seis meses de idade. O peixe de boa procedência, bem cozido, sem risco de espinhos, é um alimento rico. Além disso, ao oferecermos mais cedo, a chance do bebê adaptar ao seu paladar é maior, melhorando muito a aceitação. Peixes mais utilizados: tilápia, pescada, robalo e badejo.

Sendo assim, devemos oferecer esses alimentos em pequenas quantidades e sempre conjuntamente com o aleitamento materno, observando possíveis reações. Hoje, sabemos que se o bebê tem contato com esses alimentos desde cedo, o risco de propagação de alergias é menor.

Alguns alimentos ainda devem ser evitados até um ano de idade: carne de porco, peixe cru, castanhas, açúcares, mel, farináceos para mamadeiras.