Foto: favim.com

Dentes branquinhos e perfeitos. Esta é a primeira impressão, mas nem sempre a verdade. Podemos ter uma surpresa desagradável: a lesão de cárie interproximal. É assim que é chamada a cárie que ocorre entre os dentes. E como é de ocorrência frequente em consultórios odontológicos, melhor se informar para prevenir:

A cárie interproximal fica escondida entre os dentes


1) Por que a cárie interproximal ocorre?

Toda a cárie dentária, incluindo a localizada entre os dentes, é consequência de um conjunto de fatores, entre eles:
:: A alta frequência do consumo de açúcar (em suas várias formas);
:: a deficiência na higiene bucal;
:: o uso inadequado da pasta de dente

2) Como eu vou saber se meu filho está com cárie?
A cárie interproximal só é visível a olho nu quando está muito extensa ou quando o dente vizinho cai e nos permite, assim, visualizar a face do dente cariado.
Na grande maioria das vezes, só será descoberta através de uma radiografia odontológica específica, que é a “bite-wing”. Ela é solicitada pelo dentista assim que a criança atinge os cinco ou seis anos de idade. Antes disso, ela é realizada apenas em caso de suspeita, como fio dental desfiando ou gengiva com sangramento persistente em determinado local.
A radiografia “bite-wing” permite visualizar a cárie desde o estágio bem inicial.

Cárie interproximal
3) A cárie interproximal precisa ser tratada?
Nem sempre ela precisa ser tratada através de restaurações.
Quando ainda está bem no início, na camada externa que é chamada de esmalte, pode ser paralisada com o uso de medidas de prevenção.
Mas se já tiver atingido a próxima camada, a dentina, é necessário o tratamento na maioria das vezes. Em alguns casos, o odontopediatra faz apenas um controle, especialmente se o dente está próximo à troca.

4) Mas como a cárie pode ser paralisada? Ela não é um “buraco”?
Num primeiro momento, a cárie não é um buraco.
A desmineralização inicial do esmalte é vista por nossos olhos como uma mancha branca.
A criança deve adotar medidas preventivas como:

:: o uso de flúor adequado;
:: a higiene com fio dental e escova;
:: o controle das guloseimas

(Vale relembrar:
Geração zero-cárie I
Geração zero-cárie II
Geração zero-cárie III: o açúcar
Geração zero-cárie IV: uso inteligente do açúcar)

Desta forma, teremos uma remineralização do esmalte antes de sofrer uma perda importante de material, ou seja, antes de formar o “buraco” da cárie.

Radiografia “bite-wing”

5) E se tiver que ser tratada? Como o dentista vai alcançá-la se ela está entre os dentes?
Infelizmente, na grande maioria das vezes, o dentista terá que sacrificar uma parte sã do dente para ter acesso à parte cariada.
Hoje o material mais indicado para estas restaurações é o ionômero de vidro, que libera flúor e tem uma boa adesividade em dentina. Além do mais, o ionômero de vidro é de cor clara, acompanhando a coloração do dente de leite.

O odontopediatra está preparado para tratar da criança. E o jeito é ir fazendo sempre do limão uma limonada. E seguir em frente, pois os permanentes virão e é tempo de aprender!