Você sempre curtiu uma praia nas férias e de repente, tem um pequeno “sócio” para te acompanhar. Ele não paga passagem, mas chora, quer atenção e é bem exigente nisso.

E aí, dá para aproveitar mesmo assim?

Aqui na pracinha a gente adora passear pela cidade, mas também curtimos sol e mar quando o corre-corre da vida nos permite.

Fomos algumas vezes com os pequenos aventurar-nos pelo lindo litoral do nosso país. E achamos que algumas dicas são bem legais quando o assunto é praticar filhoterapia em outras bandas também.

O post é dividido em duas partes:

:: A sobrevivência da mãe 

A gente não quer só cuidar da cria o tempo inteiro. Também queremos apreciar o visual maravilhoso, dar um mergulho e, se estivermos com sorte, fazer uma caminhada romântica à beira mar. Então, vamos às dicas:

1 | beba muita água, abuse do protetor solar, use chapéu e óculos escuros – dicas básicas, mas o que acontece muitas vezes é que o bebê sai ileso do passeio e a mãe volta esturricada porque só passou protetor solar nele…

2 | programe passeios de manhãzinha ou no final da tarde com o bebê no sling ou canguru. Convide o marido/ namorado, ou uma amiga(o), a ideia é relaxar contemplando o lindo visual

3 | opte pela mochila no lugar da bolsa do bebê. É muito mais fácil de carregar, leve em consideração que você terá muitas outras tralhas para levar junto para a praia.

4 | passe o protetor solar no hotel, antes de ir para a praia. Assim, será menos uma coisa para se preocupar na hora que pisar na areia. Depois você apenas terá que reaplicá-lo.

5 | se você ainda não estiver à vontade com seu corpo, opte pelo maiô. Há lindos modelos disponíveis que vai deixá-la elegante e à vontade à beira mar. Mas se não tiver problema com isso, abuse do biquíni mesmo e seja feliz.

6 | Não fique constrangida em amamentar na praia. Se não se sentir muito à vontade, utilize um paninho para cobrir o seio.

7 | Dê uma passada em sites de previsão do tempo antes de comprar as passagens. E pesquise sobre o vento na época da viagem. Em uma das viagens que fizemos, ventava tanto, que praticamente não conseguimos ficar na praia, foi uma decepção. Vivendo e aprendendo.

8 | Opte pelas praias com mais estrutura, ou seja, com quiosques e áreas de sombra, seja com o guarda sol ou em coqueiros. Lembre-se que você provavelmente vai precisar circular um pouco com o bebê nos momentos em que ele estiver enjoadinho ou sonolento. E passear com ele sob o sol forte não é uma opção, né?

:: A sobrevivência do bebê

Esse pequenino que vai ver o mar pela primeira vez precisa de alguns cuidados a mais para que possa aproveitar – do jeito dele – a praia e para que volte são e salvo para casa ao final da viagem. Algumas dicas que funcionaram com a gente:

1 | Lembre-se do protetor. Lembre-se do protetor. Lembre-se do protetor: Ir para a praia e ter que lidar depois com a criança chorando e reclamando porque está toda ardendo arrasa com qualquer viagem…fora que trata-se de um cuidado básico com a saúde, né? Vale investir um tempo neste processo. Vale a pena passar antes de sair de casa, reaplicar 1 hora depois que estiver na praia e depois toda vez que o bebê sair da água – assim que ele ficar sequinho, aplicar outra vez. É um saco complicado, mas vale a pena, deu certinho com a gente.  E se o bebê tiver menos que 6 meses, é importante checar com o pediatra se é permitido o uso do protetor solar.

2 | Roupas com proteção: existem no mercado algumas opções de roupinhas com proteção UV, que são um verdadeiro achado. Usei com o pequeno Raul, deu uma segurança bem maior. Mas não dispensei o protetor e muito menos o deixei sob o sol forte – o pequeno ficou o tempo quase todo na sombra.



3 | Invista no chapéu. De preferência, com cordão para amarrar. Se bate uma brisa mais forte, além de segurar o bebê, precisamos nos equilibrar para não deixar o chapéu sair voando pela praia afora. A dica está dada, mas a verdade é que dependendo da idade, eles não aceitam de jeito nenhum usar o acessório. Se este for o seu caso, vale a pena aplicar o protetor diretamente no couro cabeludo. Fica meio ridículo, mas protege.

A piscinha vira um ótimo berço com um paninho.
A camisa com proteção UV é um verdadeiro achado ;)

4 | Adquira uma piscininha: tem de vários tamanhos, as pequenas são melhores, ideais para levar para a praia, explico: cabem o bebê mais os brinquedinhos, nada além. Pontos positivos: serve direitinho para se refrescar; quando o sol se movimenta e a piscina sai da sombra, dá para arrastá-la pela areia cheia de água e com o bebê dentro se preciso, porque é bem levinha; uma vez cheia de ar, dá para deixá-la no porta-malas do carro do mesmo jeito e no dia seguinte, é só pegar, não precisa ficar enchendo todos os dias. Além disso, se o bebê já for maiorzinho, a piscina vazia e limpa pode virar uma caminha adequando um paninho – desde que fique confortável. É ou não é uma maravilha? Tem piscina com tantos apetrechos “incríveis” que no final das contas, só dão mais trabalho para os pais e a criança acaba resolvendo ir para o mar…!

5 | Leve fralda de piscina: trocávamos umas quatro vezes, quase sempre logo depois que ela saía da água, para não ficar incomodada. Ah, e vale a pena levar uma quantidade suficiente para não ter que procurar pela cidade – parece estranho, mas tivemos dificuldade de encontrar nas farmácias locais em algumas cidades.

A fase oral: fique de olho, colocar areia na boca é muito comum!

6 | Leve na bolsa toalhas e cangas diversas: quando chegar a hora de dar aquela dormidinha, é bom ter algo para cobrir se a brisa do mar já estiver um pouquinho mais intensa. Uma das toalhas pode estar molhada, a canga pode estar suja demais, enfim – nunca é demais levar esses apetrechos a mais para proteger a cria.

7 | Alimentação:
Se o bebê ainda come apenas papinha, a gente sugere continuar oferecendo a opção mais saudável possível. Papinhas industrializadas, apenas em último caso. Dá pra preparar em casa e levar em potinhos separados, tudo congelado. Ou encomendar de empresas especializadas – em BH, temos ótimas opções. Passei 1 semana na praia, levei 14 papinhas congeladas em uma mochila térmica. Chegando na pousada, foram direto para o congelador do frigobar. Todo dia antes de sair para a praia, eu descongelava no microondas da pousada e deixava na bolsinha térmica. Na hora do almoço, ela estava em temperatura ambiente e o Raul comia bem feliz. 

Cadeirinha: ótimo acessório para
o bebê não ficar o tempo todo no colo
Se a barraca onde você ficar na praia tiver uma estrutura um pouco melhor, dá pra levar congelada mesmo e usar o microondas de lá. 
Suco: se o bebê já toma suco, dependendo da região, vale a pena oferecer a bebida com frutas típicas. A Sara, em uma das viagens, tomou suco de cajá todos os dias!
Ah, e importante: vale a pena procurar manter algum tipo de rotina sim, mas sem estresse ;)

8 | Cadeirinha: para que não seja necessário deixar o bebê no colo o tempo todo, vale levar o bebê conforto, um bouncer ou similar. Dessa vez, levamos uma cadeirinha que originalmente foi feita para dar banho em bebê. Mas funcionou maravilhosamente na praia. Sobre a mesa, ela ocupa menos espaço e fica bem firme por causa das ventosas nos pés. Além disso, é de plástico, fácil de limpar e dá pra colocar inclusive dentro da piscininha. O bebê fica brincando um bom tempo ali, entretido na sombra, tranquilamente.

9 | Segurança: se a criança já anda, atenção redobrada com o mar. Ciça sempre corria em disparada e precisávamos ficar de olho! Também vale usar pulseirinhas de identificação, especialmente nas maiorzinhas. Um passeio para procurar conchinhas leva a criança para longe da barraca sem percebermos.

Brinquedinhos: não precisa de
muito para se divertirem

10 | A fase oral e as novidades! Fique de olho, pois é super comum os pequenos colocarem areia na boquinha. 

11 | Dependendo da praia, vale a pena levar o carrinho. Especialmente se você não terá muita ajuda com a criança. Existem modelos próprios para andar na areia. Quem sabe aquela amiga pode emprestar para a viagem? Além disso, ele também é uma ótima caminha para as sonecas do dia.
12 | Muitas praias são cheinhas de pernilongos, então, lembre-se do some daqui muriçoca repelente. Ele deve ser aplicado após o protetor solar. 
13 | Para os pequenos que ficam com os olhos  muito irritados, lembre-se também do soro fisiológico.

14 | Kit limpeza: vale levar de casa a escova de lavar mamadeira, uma bucha e detergente neutro. Às vezes, a pousada/resort até tem a “Cozinha do Bebê”, mas melhor manter esse cuidado mais individual, né?

Varalzinho: ótima opção para as peças
do bebê que precisam ser lavadas

15 | Varalzinho: em uma das viagens, ficamos numa pousada que tinha uma área externa com varal para secar as roupas de banho. Com bebê, sempre tem um babador pra dar uma lavada ou uma outra roupinha a mais. Se onde você ficar não tiver essa opção, um varalzinho dobrável é sempre uma boa ideia, é só pendurar no banheiro.

16 | Lembre-se dos brinquedinhos de areia, mas não leve coisa demais – um bom baldinho para brincar na areia já vira uma grande curtição para os pequenos. Se for optar por resort, vale checar se eles têm para disponibilizar – é um item a menos na bagagem. E boa filhoterapia!


E se o seu bebê já está crescendo, a grande maioria das dicas vale também. Deixe que ele descubra a novidade, faça amizades! Aproveite a oportunidade para montar castelinhos de areia, pegar jacaré, furar onda e muito mais. A diversão é garantida :)

#repost
1ª publicação em 28/01/14