Cada fruta se desenvolve em uma época do ano, ou seja, em uma determinada “estação”. Isso acontece porque cada uma delas depende de condições climáticas específicas.

As frutas que não estão “na estação” e, mesmo assim, são encontradas nos mercados, provavelmente foram produzidas em estufas e podem conter maior teor de químicos. O sabor pode alterar também. E, além disso, normalmente são mais caras.

Por isso, fique atento e aproveite as frutas da estação atual:
Frutas de março: abacate, coco, figo, goiaba, graviola, laranja, limão, maçã, mamão, manga, pêra, uva.

Frutas de abril: abacate, banana, caqui, coco, goiaba, kiwi, limão, maçã, pêra, uva.

Consumir também frutas da sua região, além de fomentar o comércio local, gerando renda para o município e sua comunidade, significa conseguir um produto mais fresco.

As frutas e as crianças

Existem frutas que não podem ser oferecidas para as crianças? 

Geralmente não, só haverá restrições no caso de alergias ou características próprias da fruta para a fase que se encontra a criança (prende/solta o intestino, perigo de engasgo, por exemplo).

Existem combinações de frutas que não podem ser oferecidas para as crianças? 

Não. As frutas são de um mesmo grupo alimentar geral, ricas em vitaminas, minerais e fibras, principalmente. Quanto maior a variedade de frutas oferecida, maior o teor de nutriente obtido.

Como oferecer as frutas para as crianças? 

Puras, picadinhas ou inteiras. Evitar misturar com mel, açúcar ou farinhas. Também podem ser oferecidas como vitamina e juntamente com iogurte (sem substituir a fruta natural). O suco de frutas deve ser oferecido sem adoçar e nunca deve ser substituído pela fruta nem água.

As frutas podem tirar o apetite, por isso, evite oferecê-las antes de refeições. Sirva nos lanches, ou inseridas nas refeições (banana na comidinha, manga na salada etc).

O hábito do consumo de frutas deve ser iniciado desde bebê, diariamente.