por Lucinda Mendonça, psicóloga

Foto: Patrícia de Sá


Uma queixa muito frequente entre os pais é que os filhos não lhes contam nada. Se você se identifica com essa situação, peço que reflita: “você conta sobre o seu dia a dia em casa?”.  Se sim, já é um grande passo para estabelecer o diálogo. Caso não, é importante criar este hábito para todos na família.

A criança aprenderá a falar sobre si e o mundo ao seu redor se perceber a mesma situação, como uma rotina, em sua família. Dialogar é um hábito que deve ser construído e reforçado diariamente. Conte sobre o cotidiano, como foi o trabalho, com quem encontrou, se aconteceu algo que lhe chateou ou que se destacou ao longo do dia. Relatar sobre o seu dia a dia, além de motivar o seu filho a lhe contar sobre ele, também demonstrará que você o está colocando a par de seu mundo. Ele se sentirá importante por você dividir com ele o que faz parte de sua vida “longe dele”.

Muitos pais relatam ter dificuldade em saber como foi o dia da criança, seja na escola ou com
outros cuidadores. Há crianças que são mais falantes e já saem da escola contando tudo o que aconteceu, principalmente, se isso já é um hábito em sua família. Há outras que têm mais dificuldade, ou simplesmente não querem contar. Nesse caso, os pais podem usar táticas que ajudem a criança a falar: pergunte o que teve de muito legal, o que teve de ruim, com qual coleguinha mais brincou, qual coleguinha faltou, quais atividades foram feitas, quais professores ele encontrou, o que aconteceu na hora do lanche, na hora do recreio, qual coleguinha foi embora primeiro…

A cada resposta dada, aproveite para contar algo do seu dia também, falando o que teve de bom e ruim no seu trabalho, com quem você trabalhou, que nasceu o filho de um amigo seu, que você derramou café na roupa, que você encontrou com alguém na rua, que você assistiu a um filme super interessante, que você sonhou etc. Assim, vocês estarão criando o hábito do diálogo.

Nunca é tarde para introduzir bons hábitos à família. Então, faça esse exercício: conte sobre
você para aqueles que te amam, e os escute. Assim, além de se conhecerem melhor, serão capazes de se ajudar mais, de se respeitarem mais e de reconhecer o que está acontecendo com o outro, mesmo quando ele ainda não tiver falado. Serão capazes de encorajar o outro a falar de suas fraquezas sem julgamentos e, consequentemente, criarão um ambiente de muita empatia, afeto, respeito e compreensão.
E aí, vamos começar?