Crédito: Projeto Quintais do Xingu

Quando falamos da infância geralmente associamos o tema à criança, e mais especificamente às crianças que vivem na cidade. E você já pensou na infância das crianças que vivem nos campos, meios rurais ou até mesmo na infância das crianças ribeirinhas? A proposta deste texto é fazermos uma breve viagem cultural à infância das crianças ribeirinhas e aprendermos um pouco mais sobre os saberes das águas, da terra e da mata.

As crianças ribeirinhas vivem na beira dos rios e suas famílias têm como meio de subsistência a agricultura, criação de animais, pesca, dentre outras atividades. A relação das crianças ribeirinhas com a natureza é muito forte. Sendo assim, o que podemos aprender com este jeito de ser?

Um primeiro saber que é muito presente na infância dessas crianças é o saber da terra, que está diretamente ligado a situações de sobrevivência, como a caça e o plantio. As crianças ribeirinhas aprendem a plantar desde novas… Que tal se inspirar  para visitar uma horta com suas crianças? Ou até mesmo fazer uma? A possibilidade de aprender a plantar gera uma infância mais cooperativa, empática e feliz. Por meio da construção de hortas, os pequenos começam a valorizar mais a importância de dividir, de compartilhar e principalmente de aprender a trabalhar em conjunto.

Outro saber fundamental na infância das crianças ribeirinhas é o saber das águas. O rio é visto pelas crianças como espaço de lazer, higiene e via de transporte. O rio é lugar onde a gente se diverte, brinca e salteia! Que tal ir junto com as crianças brincar no rio? Nadar, saltear, andar de barco?! O rio é lugar de mergulhos, risadas e construção de brincadeiras pelas crianças ribeirinhas e pode ser uma ótima possibilidade de diversão para os pequenos que vivem na cidade também.

Por último, e não menos importante, temos a sabedoria da mata, que representa para as crianças ribeirinhas o lugar onde moram as lendas e as histórias criadas. A mata é local de fazer caminhadas para recolher sementes e aprender nomes de árvores. Que tal levar a criançada para fazer um passeio na mata, uma caminhada divertida para ampliar os quintais da infância?

Que as sabedorias da terra, da água e da mata possam inspirar a nós, adultos, e às crianças as novas possibilidades de (re) inventar a infância e o brincar! Que o quintal da infância seja maior que o mundo, como diria o poeta Manoel de Barros!

Inspire-se nessas sabedorias e vá brincar!