“Ser mineiro é venerar o passado como relíquia” – Frei Betto

Nas férias de julho, passeamos pelas cidades históricas de Ouro Preto e Mariana. A ideia era apresentar um pouquinho mais da nossa terra para as crianças, afinal, haja história nessas Minas Gerais, né? Pra quem mora em Belo Horizonte, é uma viagem “logo ali”, que pode ser feita em um final de semana. O nosso passeio foi de 3 dias, mas 2 são suficientes.

As ladeiras, as igrejas, os museus, o Barroco, Aleijadinho e Mestre Ataíde, as fontes, os chafarizes, os casarios, a história, as montanhas, a pedra sabão, o passeio de trem, as comidinhas, a simplicidade e simpatia do povo mineiro, e os turistas – são muitos os atrativos para um passeio por lá. Se a gente permitir que as crianças questionem e  interajam através dos olhares curiosos, tudo se torna ainda mais interessante.

Ouro Preto

Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, a cidade é conhecida como um Museu aberto, e a sensação de um passeio ao passado é iminente. Você vai se lembrar das aulas de História do colégio, e mesmo que acompanhado de crianças bem pequenas, como as minhas (de 6 e 2 anos de idade), é possível contextualizar um pouquinho sobre o que estão conhecendo.

A diversão para a criançada, começa com o sobe/desce das ladeiras e as ruas de pedrinhas irregulares. Disposição, tranquilidade e organização são fundamentais, afinal, são uma infinidade de igrejas e museus a sua escolha, e as paradas estratégicas são fundamentais para ninguém perder o humor. Inclusive, a hospedagem no centro histórico para quem está com crianças é bem vantajosa: cansou, dá uma pausa no hotel.

Se é a sua primeira vez na cidade, ou se não passeia por lá há muito tempo, comece pelo Centro Cultural e Turístico do Sistema FIEMG, na Praça Tiradentes (sempre a referência para início de todos os passeios), aberto diariamente (das 9h às 19h). Lá você poderá pegar um mapinha para se localizar – aproveite e visite o Café Cultural Ouro Preto que fica no subsolo do casario (delícia!) e também a Galeria de Arte.

A gente só andou a pé por lá, mas, você pode passear de Tuk Tuk. Visitamos muitas Igrejas – as preferidas foram a Nossa Senhora do Carmo (o gramado fez sucesso com as meninas, ganhamos muitas horinhas de brincadeiras) e a São Francisco de Assis (a feirinha com as criações em pedra sabão é um atrativo a mais para mostrar as crianças um pouco mais sobre esta arte).

Fomos ao Museu da Inconfidência e do Oratório, aos Chafarizes do largo do Rosário, do Pilar, do Museu da Inconfidência, à Estação Ferroviária (onde pegamos o trem rumo a Mariana). Seguimos um cortejo de crianças e suas famílias em direção a Igreja Nossa Senhora do Pilar e assistimos a um pedacinho da missa dominical da Igreja São Francisco de Paula.

Fizemos muitas paradas nos diversos cafés, afinal, estava um friozinho bem agradável. A gente comeu a tradicional pizza do “Passo”, também almoçamos por lá – eles tem um cardápio executivo com ótimo custo x benefício, no tradicional Bené da Flauta e no moderno EscadaAbaixo (geralmente, quando gostamos da comidinha do lugar, repetimos na mesma viagem – quem mais faz isso?) – nenhum desses lugares tem “play”ou espaços infantis, e isso não foi motivo para desisistirmos, confira neste post como a gente pode curtir com as crianças.

 

E claro, encontramos uma pracinha para brincar!

Praça de Lazer
Praça de Lazer

 


Mariana

Igreja de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo
Igreja de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo

Visitamos a primeira capital de Minas Gerais duas vezes. Fomos à Minas da Passagem e demos uma esticadinha no centro da cidade para curtir o final da tarde. Voltamos em um outro dia, no passeio de Trem, onde desembarcamos e brincamos na pracinha Lúdico-Musical da Estação (que precisa de reparos, mas tem uma proposta muito bacana).

 

Minas da Passagem é a maior mina de ouro aberta a visitação. As galerias subterrâneas chegam a 315m de extensão e 120m de profundidade, e a descida é via trolley. Cecília foi com o pai e curtiu muito.  A visitação é de segunda a domingo, das 9h às 17h – e estava bem concorrida. Por lá, há uma venda e um lojinha de artesanato (não vi o restaurante indicado no próprio site). O ingresso foi R$ 60,00 e crianças pagam o valor da inteira.

O passeio de Trem também foi muito divertido. Vale comprar os tickets de forma antecipada (confira o calendário aqui), para que você possa escolher o vagão (indico o panorâmico) e o horário em que deseja viajar. O passeio é feito pela serra, com uma vista bem bacana – e com aquele “q” de aventura em vários momentos. O ingresso foi R$ 60,00 (ida – voltamos de táxi), crianças até 5 anos não pagam.

 

Em Mariana, nos encantamos pela praça Gomes Freire, que fica no centro. Uma pracinha com cara de interior, com coreto e laguinho, e aquele convite para desacelerar que a gente conhece bem. Vale também conhecer a Catedral e conferir o Órgão da Sé (as apresentações estão suspensas no momento), e visitar a Casa de Câmera e Cadeia. Inclusive, se hospedar em Mariana é uma ótima opção custo x benefício.

 


 

“Minas é saborosamente mágica. Ave, Minas! Batizada Gerais, és uma terra muito singular.”- Frei Betto