Foto: Viviane Lacerda

 

Assim que nos descobrimos pais, buscamos informações para inúmeras situações que vivenciaremos ao longo dos anos: dos cuidados com o bebê, à escolha da escola, da forma como criaremos as crianças, à introdução alimentar, do jeito em que iremos acolher e lidar com suas angústias, a como ensiná-los a compartilhar o mundo com os demais. Muitas vezes, as famílias relatam que não conseguiram aplicar nem 10% do que leram no seu dia a dia. Por que será que isso acontece?

Identifico vários fatores como causas desse distanciamento entre a prática e a teoria. Entenda:

  1. Teoria não é receita de bolo: não há uma única forma de se educar e criar uma criança, as bibliografias apontam caminhos para que você avalie o que deseja para sua família.
  2. Cada bebê – e cada família – são únicos: é importantíssimo se informar, mas nada do que você lê será aplicado exatamente igual na sua casa;
  3. Falha em pensar nas adaptações: como cada família vivencia a sua realidade, é necessário que cada um adapte o que estudou para o seu cotidiano.
  4. O momento que você e sua família estão vivendo. Não apenas um período de tempo, uma época na história de sua família, mas aqueles segundos de falta de paciência e cansaço. Várias vezes os pais relatam que tentam criar seus filhos com apego, mas que em um determinado momento, perderam a cabeça e jogaram tudo para o alto. Sempre digo para esses pais que há dias que são mais difíceis, às vezes esses dias se multiplicam e podem se tornar “épocas”, mas que só o fato deles reconhecerem que não foi legal o que fizeram já é um ponto positivo. E que nada está perdido, podem pedir desculpas, podem avaliar conjuntamente o que realmente está acontecendo e procurarem soluções para aliviar o estresse da família e voltarem a lidar com tudo de uma forma firme, porém mais adequada e leve.
  5. As variações na interpretação: cada um interpreta o que lê da sua maneira, consequentemente, cada um aplicará da maneira que entendeu, o que pode ser diferente do que foi “proposto” por quem escreveu;
  6. Evolução humana: as pessoas evoluem e amadurecem. Algumas teorias que você leu há cinco anos, não fazem hoje o menor sentido. E não há problema algum nisto. Avalie o que é necessário mudar, faça adaptações, não insista em algo que não está fazendo bem nem para você, nem para sua família;
  7. Um sem número de informações, teorias de criação e fórmulas prontas: muitos conteúdos se complementam, outros se contradizem, alguns não fazem sentido, vários não têm fundamentação científica. É necessário bom senso, parcimônia e foco na realidade familiar. Não há um caminho melhor que o outro, apenas aquele que funcionará em sua casa.
  8. Insistência para a prática: se acreditamos que algo será bom para nossa família, precisamos envolver a todos, avaliando se estão dispostos, se têm condições físicas e emocionais para todas as mudanças que acarretarão essa nova prática. E é fundamental que ela seja exercida de forma a respeitar a realidade que vivenciam.

Mas, as teorias e fórmulas sobre como criar filhos funcionam na prática? Sim, desde que conheçamos nossa realidade e o que pretendemos enquanto família. Assim, temos a capacidade de escolher algo que acreditamos e que somos capazes de vivenciar. Mas com a tranquilidade de saber que a vida não tem roteiro, nem receita e que quase todos os dias teremos que fazer adaptações. Ao longo da vida, usaremos várias teorias, e não apenas uma única. Todo conhecimento é bem vindo. Estude tudo que lhe for apresentado e decida por aquilo que tem relação com vocês.