O Parque do símbolo de Belo Horizonte – como deixar de conhecê-lo? E como não amá-lo, desde a sua aproximação, avistando, ao longe, a Serra do Curral. Toda imponente, verde e misteriosa. Abraçando a nossa cidade, emoldurando as nossas terras, emocionando, realmente, essa família aqui, que se apaixona por BH toda vez que descobre mais um lugar surpreendente.

“Eleita pela população, em 1997, símbolo de Belo Horizonte, a Serra do Curral constitui parte integrante da história de Minas Gerais. No período de colonização do Estado, era a referência de localização para os viajantes. 
Tombada pela Lei Orgânica do Município e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), ela é o marco geográfico mais representativo da região metropolitana de Belo Horizonte. E o Parque da Serra do Curral protege este patrimônio.”- Prefeitura de Belo Horizonte

Passamos uma manhã de domingo inesquecível no Parque da Serra do Curral. Num dia tão quente, aproveitamos o clima, muito mais ameno, em função da altitude do Parque (acima de 1.200m).

Logo na chegada, avista-se estampado, em grande painel, trecho do poema de Carlos Drummond de Andrade – “Esta serra tem dono. Não mais a natureza a governa. Desfaz-se com o minério, uma antiga aliança, um rito da cidade.”

E bem ao lado, outra grande frase, como uma resposta da Prefeitura à tristeza do poeta: “Aqui é o início. O parque vem resgatar este Patrimônio natural. A natureza novamente governará a Serra do Curral.”

Sabe-se que ainda há exploração na Serra. Mas ficamos satisfeitas em também saber que a Prefeitura tem feito algo para preservar este patrimônio ambiental.

O que vemos, na entrada do parque, é um cuidado nos detalhes: um amplo gramado convida para correr, brincar, ou relaxar nas sombras das árvores.

Um pequeno laguinho com peixes encanta as crianças, que também descobrem, atrás dos grandes painéis de entrada, bicas para lavar as mãos e beber água.

A entrada do Parque é linda e aconchegante, mas o seu maior atrativo são as trilhas e mirantes, espalhados em seus mais de 400 mil m².

Para passear com as crianças, é possível percorrer a primeira parte. Sara e a amiguinha Helena foram até o primeiro Mirante com os papais numa boa e se sentiram grandes exploradoras, encantando-se com os detalhes da natureza e com a linda vista da cidade.

Enquanto isso, bebê Raul e a amiguinha Clarice, de 3 meses, ficaram com as mamães na entrada do parque, curtindo sombra e água (ou leite) fresco.

O amplo gramado da entrada do Parque é convidativo para brincadeiras ao ar livre e as meninas exploraram ao máximo. Jogaram peteca, soltaram bolhas de sabão, brincaram de barangandão, chicotinho queimado, correram, riram, lavaram a alma.

Drumond tinha suas razões. Mas quem sabe ele reconsideraria seu “Triste Horizonte”, se visse a alegria estampada dessas crianças brincando lá fora, ao pés da Serra.

Vamos programar um passeio?

A entrada sinalizada

 

Entramos pela Portaria 1. A Portaria 2 fica próxima ao Parque das Mangabeiras.

 

O mapa, na entrada do Parque, orienta os visitantes quanto às trilhas e atrativos

 

O desgosto do poeta, em grande painel no Parque

 

A Prefeitura responde, comprometendo-se com a preservação do patrimônio ambiental.

 

Água fresca para lavar as mãos atrás dos painéis

 

Um pequeno laguinho para as crianças se divertirem com os peixes

 

Um visual que nos relaxa e revigora <3

 

 

Bora fazer trilha, meninas?

 

Vencendo os obstáculos
Sinalização no meio do caminho pra ninguém se perder!

 

Chegando no primeiro Mirante – as crianças percorreram essa primeira parte, mas foi uma grande aventura

 

Uau, que visú!
Indicação da fauna e a curiosidade das meninas

 

Mas que Belo Horizonte!
Na entrada do Parque, espaço de contemplação não falta

 

Tinha bebê explorando as pedras do Parque

 

E teve também piquenique instalado no amplo gramado

 

E no gramadão do parque, dá pra fazer o quê? Jogar peteca!
Soltar bolhas de sabão…

 

…brincar de chicotinho queimado…
…correr e correr!

Precisa de pouco pra se divertir, não é mesmo?
Até o próximo passeio, pessoal! Vamos brincar lá fora

 

O que tem de bom por lá?
:: Um gramado enorme que possibilita brincadeiras mil
:: Árvores frondosas
:: Trilhas para fazer com as crianças
:: Um agradável clima ameno
:: Banheiros bem conservados
O que pode melhorar?
:: Mais árvores na entrada do Parque, fornecendo mais sombra às crianças