“Eu faço de tudo, e na hora da refeição, é uma luta lá em casa! Meu filho chora se tiver um verdinho no prato!” (Escuto essa frase todos os dias no consultório).  É possível reverter este quadro. Vamos começar mudando a referência “aos verdinhos” – uma cor tão linda e cheia de vida.

Alimentos muito importantes para a nossa saúde, legumes e verduras podem ser rejeitados pelas crianças, principalmente, quando não fazem parte do cardápio da família toda. Crianças aprendem por imitação. Os legumes e verduras estão presentes na alimentação da família todos os dias? Há variedade durante a semana? Busque os legumes da safra, cheios de sabor, e que a família não tenha o hábito de consumir para apresentar novos sabores aos pequenos.

Crianças precisam de estímulos. Que tal pensar em variar a forma como os alimentos são apresentados ou combinados? E brincar com montagem do prato, de forma lúdica e criativa. Você pode, por exemplo, variar a forma com combinações e cortes diferentes, por exemplo: cenoura ralada, em cubos, em palito, na forma de purê, bolo, suflê, rodelas… A monotonia não desperta o interesse dos pequenos.

Crianças são curiosas. Converse sobre os alimentos saudáveis e sua importância para a nossa saúde, de como pode ser leve e prazeroso se deliciar com uma beterraba. Descubram juntos o sabor de cada verdura, uma mais amarga, a outra mais docinha, a outra azedinha.

Crianças gostam de participar. Envolva-as em todo o processo da refeição: colheita, compra, higienização, porcionamento, preparo. Elas se sentem importantes e fortalecem a autonomia para tomar suas decisões. Dê escolhas: no almoço será agrião ou rúcula? Beterraba ou tomate? Chuchu ou abobrinha?

Na hora da refeição, adote a tática das 5 cores no prato, sempre. Deixe com que a criança se sirva, se alimente sozinha, para que desenvolva a autonomia de suas escolhas. Deixe sempre os alimentos ao alcance dos pequenos.Com a prática, o porcionamento será mais adequado, e haverá menos desperdício de alimentos.

Como toda mudança, o processo terá altos e baixos. É importante manter-se firme e consciente quanto os benefícios que a alimentação saudável trará para toda a família. Não se sinta culpado quando o resultado de um dia não for tão positivo. Mas, evite recorrer as saídas práticas, cedendo aos alimentos preferidos, como o arroz e ovo – todos os dias. O prejuízo nutricional da criança é enorme. Evite industrializados, alimentos que camuflam o nosso paladar por estarem cheios de produtos químicos e açúcares. Perder a sensibilidade para os sabores naturais já na infância é uma condição muito triste.

A alimentação faz parte do processo educativo para com a criança. Acredite que mudar é possível e que você estará fazendo o melhor para a saúde de seu filho, criando um hábito que perpetuará por toda a vida.