“Errar é humano” –  uma das frases que mais ouvimos desde a infância. No entanto, lidar com os erros é uma das principais dificuldades da sociedade atual.

Infelizmente, a maioria da população, e nossas crianças estão inseridas nesse contexto, é criada sob a pressão de que tem que fazer tudo certo e ser boa em todas as habilidades. Isso causa um estresse grande no indivíduo. Ao errar, a pessoa não consegue administrar as consequências, e pode, inclusive, adoecer psíquica e fisicamente.

Ensinar aos nossos filhos que o erro faz parte da vida e que há um lado positivo no imperfeito é essencial. O erro é uma forma de aprendizagem. Geralmente, o erro acontece na tentativa do novo, por isso, devemos demonstrar aos pequenos através do exemplo que não há problema em se equivocar. Se a criança associar o erro a algo ruim, deixará de tentar adquirir novas habilidades, de experimentar algo diferente.

O medo, muitas vezes, é paralisante. A expectativa do fracasso é frustrante. É comum encontrarmos pessoas infelizes em seus empregos ou relacionamentos, mas sem coragem para mudar a situação, pois tem medo de tentar e, talvez, resultar em algo errado (dentro da expectativa  que a própria pessoa criou). O medo de errar criou uma geração insegura, infeliz e acomodada. Aquelas pessoas que se sentem realizadas, plenamente felizes, estão seguras de suas tentativas, e encaram os erros de forma positiva, como um aprendizado.

Permita que seu filho tenha a liberdade para ser criativo, que experimente algo corriqueiro de forma diferente, que argumente, que caia, que se machuque. Dê a ele oportunidade de fazer escolhas e, principalmente, não esconda os seus próprios erros. A criança aprende através dos exemplos, e estará acompanhando sobre a forma como você lida com seus tropeços.  Não se envergonhe pelos seus erros, eles são importante em sua trajetória, para você ser a pessoa que é hoje. Por isso, não castigue a criança quando ela errar, mostre o lado positivo. Assim, você contribuirá para a saúde emocional de toda a família.