“Você só consegue ter uma sociedade pensando no futuro se você atende bem a criança. (…) Se você quer uma sociedade mais justa, mais tranquila e calma, além da justiça social fundamental, você tem que pensar num micro ambiente familiar e neste vínculo, uma maternidade e paternidade conscientes.” 
{www.primeiros1000dias.com.br}

Você conhece os estudos relacionados aos primeiros mil dias de vida do bebê? O período que envolve a gestação até o 2 primeiros anos de vida da criança, o comecinho da vida do bebê, é considerado um intervalo, que pode mudar radicalmente o destino do pequeno, não apenas em termos biológicos (crescimento e desenvolvimento), mas também em questões intelectuais e sociais.

A qualidade da nutrição e dos estímulos neste período podem representar um futuro mais próspero, pois é nesta fase que construímos as bases do desenvolvimento do cérebro, do crescimento saudável e do fortalecimento imunológico. O desenvolvimento nesta fase é considerado maior e mais rápido do que durante toda a vida.

Tudo que você faz durante os primeiros mil dias faz a diferença no futuro do seu filho e a alimentação aparece como um dos pilares mais importantes neste momento. A nutrição adequada durante a gestação, associada ao aleitamento materno, a correta introdução alimentar complementar e a manutenção de bons hábitos alimentares, são requisitos básicos para o crescimento e desenvolvimento infantil, além de ter um papel protetor, que ajuda a garantir um futuro no qual as habilidades cognitivas, motoras e sociais estimularão a saúde e o potencial máximo do adulto.

Na gestação, a alimentação deve ser equilibrada, baseada em frutas, verduras, legumes, grãos, boas fontes de óleos vegetais e proteínas. O mais adequado é procurar um profissional nutricionista para te orientar individualmente e fazer o adequado balanço dos macronutrientes, vitaminas e minerais. É hora de pensar em abolir da sua vida alimentos industrializados, refrigerantes, álcool, açúcares simples, guloseimas, embutidos… pense que serão apenas mil dias, e depois de todo processo de reeducação alimentar, além dos benefícios para o bebê, você completará este momento mais saudável e satisfeita com as escolhas alimentares que fez.

Após o nascimento, lembre-se que um grande inimigo é a ansiedade. Entenda que tudo acontece no tempo do bebê. Amamentar é uma prática natural do seu humano e toda mãe é capaz, tenha paciência, dedicação e calma. É apenas uma fase e como todas as outras passa e traz saudade, aproveite o momento com seu filho. O ideal é aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, nada de água, chá, suco ou gelatina. Apenas o leite materno é capaz de suprir todas as necessidades do bebê nessa fase. O leite materno previne doenças crônicas como obesidades, diabetes, síndrome metabólica, hipertensão, além de proteger o organismo do recém nascido de alergias, infecções e cólica.  Se o seu caso for específico e você precise abrir mão da amamentação, não se preocupe, bola pra frente e vida que segue, busque o composto lácteo recomendado pelo seu médico, lembrando sempre que a introdução alimentar deve ser iniciada apenas após os 6 meses.

Aos 6 meses é chegada a hora da introdução alimentar complementar. Lembre-se:

  • o leite materno continua tendo grande importância nessa fase (e até os dois anos de idade). Para isso você pode ordenhar e congelar, dar umas fugidinhas esporádicas do trabalho, organizar os horários das mamadas. Um bom profissional vai te ajudar na logística desse processo.
  • A introdução alimentar é um processo e não algo pontual, a ansiedade continua sendo sua maior inimiga. Entender e observar o seu filho é muito importante agora. Vá com calma, no tempo dele, apresente uma grande variedade de alimentos neste período dos 6 meses aos dois anos, quanto mais alimentos ele puder conhecer, melhor. Entenda a diferença entre ofertar e dar um alimento, crie na criança uma relação afetiva e prazerosa com aos alimentos. Isso é possível, fisiológico e natural. Ou seja, tenha calma e faça do jeito certo que tudo vai fluir mais rápido do que você imagina.
  • Procure alimentos orgânicos e naturais. Nada de açúcar, industrializados e processados. A nutrição do bebê deve ser baseada em frutas, verduras, legumes, grãos, leguminosas, fontes de proteínas e alimentos fontes de bons óleos vegetais.

A ajuda de um nutricionista especializado nessa fase da vida é essencial. A velha frase continua válida: é melhor prevenir do que remediar.