Ele já foi vilão e também mocinho, vamos entender o papel que o ovo tem na saúde dos pequenos?

Consideradodo um alimento rico em proteínas de alto valor biológico, o ovo possui aminoácidos essenciais para o bom funcionamento do nosso corpo, responsáveis pela construção de nossas células, tecidos e músculos. Para os bebês em fase de crescimento isso é maravilhoso. O ovo também é um alimento rico em vitaminas do complexo B (responsáveis por proteger o sistema imunológico e ajudar na produção de sangue), vitaminas A, D, E, K (antioxidantes naturais) e minerais – cálcio, ferro, magnésio, zinco, fósforo, potássio, sódio e selênio (nutrientes importantes na formação do sistema nervoso, dos ossos e dentes e do sangue).

Pelo fato de ser um alimento potencialmente alergênico, muitas famílias tem dúvidas em quando incluir o ovo na dieta alimentar do bebê.  A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que a introdução seja feita a partir do 6° mês de vida da criança, exceto para aquelas com histórico familiar de alergia ao alimento, neste caso, a idade mínima é  após 1 ano de vida.  Por quê? É a partir do 6° mês que organismo consegue reagir de maneira mais efetiva caso a criança apresente algum tipo de alergia ou intolerância aos alimentos. Ainda, de acordo com o Manual de Nutrologia da SBP, a introdução do ovo inteiro (clara e gema) deve ser feita entre o sexto e o nono mês de vida do bebê, pois o risco de alergia aumenta em 1,5 vezes quando introduzido após os 9 meses, e 3 vezes quando introduzido após 1 ano em crianças sem histórico pregresso de alergias.

O ideal é oferecer o ovo inteiro (clara e gema) bem cozido (em água fervente por um tempo médio de 15 minutos). Não é necessário retirar a gema, pois ali estão concentradas grande parte das vitaminas. Não é indicado o consumo do ovo cru, com gema mole, frito ou poché para crianças menores de 2 anos, assim como temperar com sal para os menores de 1 ano.

Na literatura atual não há indicada uma quantidade máxima para consumo. Costumo dizer que não precisa ofertar todos os dias para os bebês e crianças, pois acredito ser muito importante a variedade nutricional para os pequenos. No processo de introdução alimentar é importante apresentar vários alimentos, de diferentes tipos para o bebê se familiarizar com texturas e sabores distintos e para uma melhor variedade de nutrientes. Considero que de quatro a cinco ovos por semana seja uma boa quantidade para o público infantil saudável.

Para a higienização é importante lavá-lo com água potável no momento em que for cozinhá-lo. Armazene em um pote com tampa específico para os ovos, dentro da geladeira (a porta oscila muito de temperatura e pode estragar os ovos), sem lavá-los. Vale lembrar também que não devemos comprar ovos que estiverem com a casca rachada.

E qual ovo escolher: caipira, branco, de granja? Em relação aos nutrientes, eles não possuem uma diferença significativa. A diferença está na forma que as galinhas são criadas e alimentadas, o ovo caipira, por exemplo, é um produto de galinhas que são criadas em modo natural e ao ar livre. Sempre que possível, prefira os orgânicos e fique sempre atento aos rótulos.

Até pouco tempo, o ovo era considerado um vilão da alimentação pelo seu colesterol. Estudos recentes comprovam que o ovo não altera o colesterol sanguíneo, ou seja, não é um alimento que faz mal à saúde, ao contrário, é um ótimo aliado para o processo de desenvolvimento da criança.