Patrícia de Sá

 

Museu é lugar de criança. Aproximar as crianças da arte é incentivá-las a adentrar em um mundo de descobertas e nos surpreendemos com suas interpretações singulares, considerando a ludicidade e a fantasia de suas percepções. O passeio, acompanhado pelos pequenos, nos permite remodelar nossas impressões à primeira vista. A arte transmite a sensação de que nada será como antes. Podemos nos encantar com o encantamento das crianças.
Uma visita ao museu diverte, emociona, inspira. A criança que vivencia rotineiramente o cenário artístico cultural, se tornará mais criativa e inventiva. Essa convivência permitirá que seu filho interaja coletivamente, experiencie novas opiniões, expresse suas ideias, desenvolva o pensamento crítico, auxiliando no aprendizado. A arte humaniza.

Como incentivar a criança? 

Comece a apresentar o mundo das artes ainda em casa, mostre as formas do objeto, a beleza da fotografia, as cores de uma gravura no livro, as melodias. Faça uma tarde com pintura e desenho livre, por exemplo. Conte uma história de forma teatral, os livros nos emocionam com as palavras e com a estética. Cante e dance as músicas de sua infância.

Como conduzir a visita? 

A criança é um ser sensorial, com grande necessidade de exploração tátil. Sempre que possível, priorize exposições interativas, em que tocar, experienciar os objetos e artefatos seja permitido. Mas, não dispense os demais passeios. É muito importante também explicar para as crianças sobre as regras e os padrões de comportamento dos espaços culturais.

:: Converse com a criança sobre as orientações para as visitas. Se a criança quiser correr pelos corredores, gritar ou cantar mais alto, explique os motivos da inadequação. Se não for permitido tocar nos objetos, aproveite para conversar com ela sobre a importância histórica da peça, seu valor financeiro, afetivo etc.

:: Procure se informar sobre a temática do programa cultural e o portfólio do artista. Procure saber mais informações sobre o programa educativo do museu e participe das atividades, muitas são direcionadas às crianças;

:: 
Se a criança se assusta com os barulhos ou com o escuro, evite algumas instalações. Se ela quiser conhecer, respeito o seu tempo e espaço. Caso ela chore, acolha seus sentimentos. Se ela não quiser voltar, não insista, retorne uma outra vez;
:: Para visitar o espaço, busque um horário que seja confortável para a criança, em que ela não esteja cansada, por exemplo;
:: Explore a imaginação de seu filho, deixe que ele explique a sua leitura sobre a obra, ou peça;

:: Repense a visita ao museu pela ótica da criança, o que seria interessante para ela?

:: Mantenha lúdico e interativo, sempre.

O importante é permitir que a criança tenha uma experiência lúdica e interativa que contribua com a visão e percepção sobre a sua construção do mundo. Aproveite exposições gratuitas, visite museus, cultive o hábito. Experimente!

[Conheça 15 museus para visitar com crianças em Beagá, clique aqui]

Patrícia de Sá