Foto: Carolina Guimarães

O Na pracinha nasceu no virtual, mas a sua potência é vivenciada no presencial, nos encontros. Uma plataforma de conteúdo que transformou-se em um movimento. Mesmo com essa dimensão, eu ainda sentia a necessidade de estar mais próxima, de ter mais trocas com as pessoas, ouvir outras experiências. A maternidade me trouxe inseguranças, angústias, medos, desafios, um desejo de conhecer outras histórias, e compaixão e empatia pelas mulheres, principalmente. E por conta disso, o Na pracinha ganhou um desdobramento: o Entre Nós.

Conversas que importam. Eventos presenciais e jornadas online sobre desenvolvimento humano que realizo com a minha sócia, Ana Paula Lobato. São diversos os temas com os quais construímos diálogos: parentalidade, educação, maternidade, paternidade, infância, vida. A cada encontro: escuta, troca, aprendizado.

A trajetória do Entre Nós segue uma evolução conceitual de mãos dadas com o Na pracinha. Afinal, se precisamos estudar para sermos pais, se queremos que nossos filhos vivenciem uma infância plena, é fundamental olhar para dentro, e (re)pensar o nosso desenvolvimento humano também.

O cerne é a empatia, a compaixão, o acolhimento. É assim que a gente flui sempre. O encontro faz o coração pulsar ritmado e alimenta a alma para seguirmos juntos. 

Então, te faço um convite. Se você acha que faz sentido para ti, que de alguma forma, o que escrevi “cola” com o que anda fazendo barulho aí dentro, vem com a gente! Estamos no virtual e no presencial, amamos um olho no olho, de preferência em círculo e com muita gente bacana ♥︎ 

Nos acompanhe aqui , já temos novos encontros marcados com convidadas incríveis (espia só)!

Foto: Carolinha Guimarães

“Entre (do verbo entrar, como se fosse um convite: entre, mergulhe, se inunde, escute, fale, mas mais que tudo: ESCOLHA entrar e se for preciso escolha sair).
Entre (de estar no meio, fazendo parte, fazendo rede, aprendendo e desaprendendo).
Nós (nós do pronome na terceira pessoa do PLURAL, que não precisa deixar de ser singular e que conjuga o eu. Nós de juntos).
Nós (nós de amarração, que se atam e desatam conforme a gente vai construindo nossas relações, falamos tanto em desconstrução, descontinuidade, variabilidade, amarra e desamarra, aprende e desaprende).
A propósito, desaprender é coisa linda demais, pra mim, é o mesmo que pegar todo o amontoado de aprendizado que se tem e reconstruí-lo pra que ele caiba em quem a gente é, pra que ele caiba nas nossas possibilidades e desejos, pra que ele caiba na nossas vidas.
E por último a palavra ENCONTROS, que conforme a preposição que a antecede muda todo o seu significado.
De encontro e ao encontro.
O mais lindo é que a Roda de Conversa nos permite sentir emoções com o “de” e com o “ao” e isso é uma porta aberta pra que a EMPATIA já fosse ali mesmo, entre nós, experimentada e vivida.”

Rosane Castilhos, mãe, educadora parental, arte-educadora e convidada do Entre Nós