Os cenários de Belo Horizonte, presentes em nosso cotidiano, devem ser palcos para a infância. O brincar nos espaços públicos permite que as crianças enxerguem a cidade como local de convivência com a diversidade humana, construindo um sentimento de pertencimento durante a
infância. Se a criança não vivencia, não reconhece a cidade que habita, como poderá contribuir como cidadã? Se queremos que nossos filhos usufruam de um ambiente propício ao seu pleno desenvolvimento, é preciso um rico percurso de observação e reflexão. É urgente conversarmos
sobre as possibilidades de apropriação da cidade por todas as crianças, a criação de espaços de acesso democrático que permitam uma expressão livre e de requalificação das experiências culturais, educativas e cidadãs da criança e do adulto.

Algumas reflexões propostas:

  • Os desafios do brincar na cidade
  • O respeito à diversidade humana
  • O brincar como agente de uma convivência diversa
  • O brincar na perspectiva inclusiva
  • Requalificação das experiências culturais, educativas e cidadãs da criança e do adulto, a partir de projetos de valorização da infância em nossa cidade.

Entrada franca.
Ingressos retirados 30 minutos antes do evento mediante doação de 1l de leite.