Foto: Natalia Fernandes

Por Rosane Castilhos, mãe, artista plástica, educadora parental (PDA)

“Sempre estou em processo de construção do meu jeito de criar dois filhos. Antes de construir eu precisei e quis, preciso e quero desconstruir um monte de conceitos, crenças, saberes em torno da parentalidade, meu processo se chama reconstrução e busco a parentalidade que dei o nome de legítima. 
Eu não quero parecer, eu quero SER.
Quero ser a melhor mãe POSSÍVEL, e não significa que eu não precise e não queira melhorar sempre, isso só quer dizer que eu não posso estar sempre a procura de uma versão melhor de mim e nesse tempo deixar de estar, de ser presença e presente na vida dos meus filhos.
Não quero chegar a um patamar em que eu saiba muito sobre parentalidade e educação e saiba pouco de mim mesmo e dos meus.
A parte que eu mais amo de ser mãe não depende diretamente de livros ou cursos. A vida que mais amo ao lado deles e dos meus é quando estamos na natureza, no pomar, na horta e também quando estamos fazendo nosso próprio alimento, nesses momentos olho para eles e percebo o quanto educar passa pela ação da gente ser de verdade. Esse contato íntimo que temos nessas circunstâncias é tão intenso, é tão eu e tão eles, todos olhando para cada um de nós mesmos e para cada um de nós que mora no outro.
Essa é a parentalidade que acredito: a legítima, a verdadeira, a ser aquilo que de verdade posso, quero, consigo e acredito.”

Rosane Castilhos é uma das convidada da Real e Possível: jornada online por uma maternagem autêntica, promovida pelo Entre Nós , entre setembro a novembro. O encontro aconteceu em 23/9, mas ainda é possível participar do percurso e receber as gravações dos encontros realizados, e participar dos que estão por vir. As conversas são ao vivo, para você participar de onde estiver. E ainda assistir quantas vezes quiser as gravações. Saiba mais aqui. Você pode se inscrever para este encontro ou para a jornada completa. Vamos juntas?