Ver publicação

Por que meu filho bate?

Semana passada recebi das idealizadoras do “Na Pracinha” uma sugestão para o post que era “Meu filho bate, o que fazer?” O tema é super interessante, mas vai muito além do apenas “o que fazer”. Normalmente ficamos perdidos sem saber como agir em certas situações porque não paramos para avaliar…



Ver publicação
Ver publicação

Do que você anda chamando o seu filho?

Quem nunca vivenciou cenas em que os pais, avós, tios, babás ou professores dão às crianças adjetivos pejorativos? Infelizmente acontece com frequência e nas situações mais variadas possíveis. Mas, independentemente da circunstância, isto não deve ocorrer nunca, pois tudo o que falamos para nossas crianças fica registrado em seu inconsciente.…



Ver publicação
Ver publicação

Por que as crianças mentem?

  Há muitos pais preocupados ao descobrirem algumas não verdades de seus filhos. Eles questionam “por que você mentiu?” e se perguntam “por que meu filho mentiu?”. E na maior parte das vezes ficam sem respostas. A mentira tem um aspecto cultural. Todo ser humano não falará a verdade sempre, pois ser sincero demais…



Ver publicação
Ver publicação

Culturão e Culturinha

Quando o assunto é cultura, eu sempre digo que as coisas ruins o mundo já oferece e que cabe aos pais apresentar algo bom para que os filhos possam escolher. Eu me divirto quando vejo Sophia pedindo pra ouvir O Coro dos Peregrinos, de Wagner, só para 5 minutos depois…



Ver publicação

Aprender brincando Na pracinha

Basta sair de casa para que as crianças tenham contato com um universo cheio de estímulos. É botar o pé na rua que elas se distraem com os pássaros, “au-aus” e até com as formiguinhas. E como nosso passeio preferido é uma boa praça, não podíamos deixar de lembrar o…



Ver publicação
Ver publicação

A síndrome do “boa, filhão”

Hoje eu resolvi “dar um tempo” na conversa sobre adolescentes e falar de um tema mais universal: a síndrome do “boa, filhão”. Você não conhece? Assim que eu explicar melhor você vai entender e, por que não, até se reconhecer um pouco nela. Eu mesma, depois de identificá-la algumas vezes, passei a me…



Ver publicação