Gestantes que se alimentam de forma adequada tendem a ter menos complicações durante a gestação e no parto. Uma alimentação balanceada é um dos elementos mais importantes para se assegurar a saúde da mãe e do bebê.

O peso aumentado durante a gestação representa o peso do feto e das partes do organismo que auxiliam seu desenvolvimento. O organismo ainda constrói reservas para sustentar o crescimento rápido do bebê e para proporcionar energia para o trabalho de parto e amamentação.

O peso da gestante deve aumentar gradativamente. No final do terceiro mês, deve ser esperado um ganho de 1 a 2 kg. Nos meses subsequentes, o ganho deve ser de aproximadamente 450g por semana. Lembrando que a média é de 8 a 12kg até o final da gestação e que o ganho do peso não é linear, podendo variar a cada semana, as medidas são médias utilizadas para o acompanhamento na curva da gestante.

A alimentação da gestante não deve diferir de uma dieta saudável de uma mulher da mesma faixa etária: legumes e frutas coloridos (fonte de vitaminas, minerais e fibras), carne magras (fonte de proteínas e ferro), leite e derivados (fonte de proteínas e cálcio), massas e cereais (fonte de energia) e evitar consumir açúcares, gorduras, produtos industrializados (que possuem muitos conservantes) e também excesso de sal (que pode contribuir com a hipertensão gestacional).

Guia alimentar para gestante:

Desjejum: leite batido com frutas, pão francês com queijo branco;

Lanche da manhã: iogurte com granola, fruta;

Almoço: salada de folhas e 2 ouros legumes (alface, cenoura e beterraba, por exemplo), arroz (ou massas), feijão, carne magra e legumes (couve refogada, purê de batata doce, brócolis refogado, por exemplo);

Lanche da tarde: suco de fruta, pãozinho de leite com requeijão;

Jantar: igual almoço ou sopa de legumes com carne ou lanche balanceado;

Ceia: leite batido com banana e aveia.

(Esse guia alimentar é um exemplo de um dia de uma alimentação balanceada para gestante. As quantidades devem ser calculadas individualmente por profissional nutricionista)

Sendo assim, é importante investir na qualidade da alimentação e não tanto no aumento de sua quantidade. São necessárias 300 calorias a mais, diariamente, após o terceiro mês de gestação, isso corresponde, por exemplo a: duas colheres a mais de arroz com feijão e uma colher de carne ou um pão com queijo e um copo de leite.

E os alimentos que devem ser evitados?

:: Laticínios não pasteurizados: leite e queijo cru, por exemplo (risco de contaminação por microorgansmos);

:: Peixe cru e carne mal passada (risco de contaminação por microorganismos como a toxoplasmose);

:: Ovos crus (salmonela);

:: Adoçantes artificiais (utilize a estévia);

:: Alimentos industrializados com excesso de conservantes, corantes e químicos;

:: Excesso de sal: tanto sal no preparo como nos alimentos industrializados (risco de hipertensão).

:: Existem alimentos que não são bem “falados” (como o café, chocolate, leite pasteurizado etc). Esses alimentos ainda não são comprovadamente negativos e seu consumo pode ser variado (retirado ou moderado) de acordo com o histórico da gestante, feito por profissional nutricionista.

Os alimentos devem ser sempre bem higienizados, principalmente os que são consumidos crus (frutas e vegetais). E os alimentos prontos devem ser sempre bem cozidos (evitar os alimentos crus ou mal passados, como carnes e ovos). A gestante deve se alimentar com moderação se baseando numa alimentação balanceada a natural.