< atualizado em maio.22>

foto colorida. uma criança caminha em um parque próximo ao escorregador.

Conhecemos o Estrelinha por acaso, quando a gente bota reparo no caminho e “acha” um parque – risos, sabe? Esta pequena que abre o post, era uma bebê, e lá se foram 6 anos ocupando este espaço-quintal com muito brincar: piqueniques, encontros e feiras de trocas; sempre dias de infância feliz. Foi lá que aconteceu nosso (re)encontro pós-pandemia, celebrando os 10 anos de projeto ♡

O parque é convite para desacelerar, pisar na grama, observar o céu, brincar e fazer piquenique em família. São 12.000 m² de área verde. No Estrelinha, a natureza é a diversão. Um gramadão que permite todo tipo de brincadeira sob as sombras das árvores e muito roteiro “inventado” para exploração, descobrindo mais sobre as folhagens, plantas e árvores espalhadas por lá.
Recentemente, ganhou um parquinho para a criançada se divertir ainda mais. ‘Bora lá brincar?
Fique por dentro das regras do parque:
Fonte: Fundação de Parques Municipais

No parque é permitido:
– brincar de bola: desde que leve, de plástico e que as brincadeiras não perturbem o bom funcionamento do parque;
– andar de bicicletas de aro 12, 14 e 16 nas áreas delimitadas para o exercício da atividade;
– o uso de patins, patinetes ou similares para crianças de até 12 (doze) anos de idade;
– não é permitida a entrada de animais.

 

Obs.: Algumas fotos que ilustram este post foram realizadas antes da pandemia de covid-19 durante nosso encontro no espaço. Registros de Junia Chaves, Duorama, Tanto Mar e da família-napracinha.

Beagá é nosso quintal. Experimentar na companhia das crianças os lugares perto da gente, turistando em nossa própria cidade #staycation, abertos ao sentir e ao reparo, cria memórias afetivas em toda família, hoje e sempre.