Num mundo em que temos (ou achamos que temos) resposta pra tudo, uma criança que não se encaixa no “padrão” pode ser considerada um problema. A criança é diferente, mas não tem necessariamente uma doença catalogada, uma síndrome genética, um problema físico ou qualquer outro diagnóstico que os médicos entregam aos pais. Ela enxerga o mundo de outra maneira. Ela se coloca no mundo de uma forma que distoa do molde de normalidade (de padrão) que a sociedade impõe. Pode ser mais sensível, mais questionadora, tem outros interesses e aprende por outras vias. Enfim, foge do que normalmente é esperado.

Este é o assunto da próxima roda do Entre Nós Encontros. Iremos conversar sobre os desafios e as alternativas para as crianças fora do padrão, que abram caminhos para um olhar mais respeitoso sobre a singularidade de cada um. Para alguns pais e profissionais, ela precisa logo ser rotulada, para que assim seja tratada da forma como as outras crianças com esses rótulos são.  Mas, e se for uma oportunidade para repensarmos nossas escolhas, nossas crenças e verdades rígidas? E, quem sabe, olhar para nós mesmos e para o mundo de uma maneira mais generosa, humana e sem tantas amarras. No final das contas, é possível que quem tenha muito a aprender somos nós, adultos.

A nossa convidada é a Ana Holanda, mãe de gêmeos e editora-chefe da Revista Vida Simples. O tema, inclusive, surgiu a partir de nossas experiências pessoais. Para enriquecer a conversa, contaremos com as contribuições valiosas de Adriana Di Mambro, psicóloga e pesquisadora da infância; da Juliana Sartorelo, médica especialista em Clínica e Toxicologia; e da Letícia Fernandes, pedagoga e diretora de escola.  Essas profissionais lidam diariamente com casos de crianças assim e vão nos ajudar a pensar sobre como podemos e devemos olhar para elas de forma respeitosa, sem fazer disso um problema ou um caso de medicalização.

Será uma conversa, uma troca, sobre educar para um mundo que não está funcionando do jeito que é. E como nós e nossos filhos temos um papel essencial nessa mudança. Mas, para isso, quem talvez precise sair do padrão seja a gente.

Algumas reflexões que propomos:
> a educação precisa se reinventar?
> a medicina está olhando de forma respeitosa para isso ou criando seres domados à base de medicamentos?
> temos ensinado as crianças a lidarem com os sentimentos e emoções como tristeza, medos e frustrações? Ou para isso existe um remédio?
> estamos nos conectando às crianças?
> permitimos que nossas crianças tenham voz?

O Encontro acontecerá em 16/09/18, domingo, às 9h, no Clic Espaço Lúdico de Interação e Cultura.

Programação:
9h | Boas-vindas
9h15 | Início da roda de conversa com o facilitador convidado
10h30 | Acolhimento das dúvidas e troca de experiências
11h30 |Encerramento

Faz sentido para você? Então venha conversar conosco!

Vagas limitadas.
As inscrições são feitas via Sympla.
Valor: R$ 90,00 (individual) e R$ 155,00 (casal) [+ taxa sympla]

O Entre Nós são encontros para compartilharmos conteúdos valiosos e experiências sobre parentalidade, infância, educação e relações afetivas. Momentos de escuta e acolhimento de nossos sentimentos e vivências como mães, pais, cuidadores e responsáveis, de forma consciente e respeitosa. A curadoria é feita pelo nosso olhar atento e do não julgamento.
Uma iniciativa do Na pracinha e Momis.cool


Importante:
Propomos um momento de pausa e reflexão, para que possamos trocar vivências sobre o tema da roda, assuntos sempre profundos, que pedem um olhar cuidadoso. A presença das crianças pode limitar a liberdade dos participantes nesse compartilhamento. Por isso, não contamos com atividades específicas ou monitores para acompanhá-las. No caso dos bebês de até 1 ano de idade, acreditamos que a presença não interfira na condução e aproveitamento da roda, desde que o participante se responsabilize por isso.