Magic Square

Sabe quando a gente gosta tanto de um lugar que nada do que falamos é suficiente para descrevê-lo? Essa é a nossa relação com Inhotim – Instituto de Arte Contemporânea, afinal, um Museu ao ar livre + Jardim Botânico é a cara do Na pracinha ♡

Inhotim é passeio para qualquer época, para todas as idades, sempre. Programa perfeito para apresentar às crianças no universo da arte contemporânea. Já estivemos por lá com as crianças ainda bebês de colo, depois engatinhantes, dando seus primeiros passinhos e correndo muito. Toda visita rende novidades, por isso, o post é constantemente atualizado. Uma experiência multisensorial, que provoca um encantamento estético nas crianças – e em adultos também.

“A infância é o período das grandes descobertas: as crianças percebem seus limites, exploram suas capacidades, desenvolvem suas habilidades e, claro, usam toda a sua imaginação e energia. Quando os pequenos têm a oportunidade de brincar livremente, desfrutam experiências sensoriais que os permitem ampliar sua percepção e possibilidades de criações, a partir de diferentes pesos, texturas, resistências, profundidades, formas e cores encontrados nos elementos presentes na natureza. Essas experiências também trazem às crianças algo muito valioso: uma emoção estética que se assemelha muito à trazida pela arte, que leva à um bem-estar interno que nutre e encanta.” – Lais Flery, Criança & Natureza. 

Pretende visitar pela primeira vez? Saiba que apenas um dia não é suficiente para conhecer todas as galerias e obras. São mais de 140 hectares. Se você estiver turistando por aqui, reserve de dois a três dias. Se você morar nas Minas Gerais, é um ótimo motivo para voltar mais vezes.

Para aproveitar bem, chegue cedo e prepare-se para caminhar tranquilamente pelos jardins. Não se preocupe, há sempre espaço para um bom descanso por toda a área. Pela manhã, prefira visitar as obras e galerias mais distantes. À tarde, passeie pelos jardins, sem obrigatoriedade de roteiro e horário. Com crianças, recomendamos o transporte interno, que circula em rotas pré-determinadas durante todo o dia.

Para passeios com bebês, considere o sling ou carrinho. Para visitantes com deficiência e portadores de mobilidade reduzida, além de empréstimo de cadeira de rodas, o Instituto disponibiliza cinquenta minutos de transporte interno gratuito, sujeito à disponibilidade.

Prepare-se para um mundo fascinante e perca-se entre a natureza. São dezenas de obras em exposição, entre trabalhos permanentes e temporárias, dividas entre 22 galerias. Você pode escolher entre os eixos laranja, rosa e amarelo. Mas, não há uma rota preestabelecida, cada um escolhe a sua trajetória, fazendo com que sempre a visita tenha uma nova perspectiva.O difícil no passeio é eleger as obras preferidas. As meninas se divertem em quase tudo! A gente considera imperdível:

–  Conhecer o Tamboril – árvore símbolo do Instituto.

– Passear no labirinto de Através, de Cildo Meireles – grades, cortinas, cacos de vidro, grades e outros materiais do cotidiano incentivam a reflexão sobre as barreiras do dia a dia e como as pessoas se relacionam com elas.

Divertir-se na Galeria Cosmococa, de Hélio Oiticica e Neville D’Almeida –  um passeio sensorial, a sala preferida no pavilhão foi a CC2 Onobject, com um colchão de espuma no lugar do chão que convida os visitantes a pular como crianças (e com as crianças) e com balões para tornar ainda mais divertido. Mas há também redes e uma piscina – para quem quiser dar um mergulho! (O Instituto disponibiliza toalhas para quem se aventurar a entrar).

– Surpreender-se na casinha branca de Continente/Nuvem de Rivane Neuenschwander – um ótimo cenário para a foto dos pequenos, e ao entrarmos, uma instalação no teto remete a infância da artista.

– Se refrescar na Piscina, de Jorge Macchi – recriando um trabalho do artista, é possível nadar, sim, nadar. (O Instituto disponibiliza um vestiário com toalhas gratuitas e banheiro).

– Brincar de esconder na Beam Drop Inhotim, de Chris Burden – um conjunto de vigas que o artista lançou a uma distância de 45 metros em uma ação perfomática que durou 12 horas (confira o vídeo aqui).

– Caçar letras com A origem da Obra de Arte, de Marilá Dardot – vasos em formas de letras para os visitantes plantarem sementes e espalharem mensagens pelo gramado.

– Descobrir os sons da terra, no Sonic Pavilion,  Doug Aitken e as vozes do coral de Janet Cardiff.

– Espiar as cores da Penetrável Magic Square de Hélio Oiticica – as edificações ao ar livre e coloridas são uma atração para a meninada.

– Ver tudo vermelho em Desvio para o Vermelho, de Cildo Meireles.

– Acompanhar o movimento das esferas de Narcissus Garden, de Yayoi Kusama Nagano – 500 esferas de aço inoxidável flutuam sobre o espelho d’água do Centro Educativo Burle Marx, atraindo a curiosidade dos pequenos, uma vez que se movimentam com o vento.

– Surpreender-se com a árvore suspensa da obra de Giuseppe Penone e o caleidoscópio gigante de Olafur Eliasson.

– Imitar as esculturas de Edgard de Souza.

– Tentar adivinhar os porquês das criações de Tunga para a Galeria Piscoativa – e ainda se espriguiçar nas redes que tem por lá.

– Conhecer várias espécies no Viveiro Educador e as orquídeas do Vandário.

– Brincar ao ar livre pelos jardins e explorar as matas das galerias mais distantes.

 

 

Inhotim conta com fraldários e muitos banheiros pelo caminho. Para alimentação, há várias opções entre massas, pizzas, lanchonete, café, além do restaurante.

O que não pode faltar no passeio?
:: Protetor solar e chapéu.
:: Roupas leves, sapatos confortáveis e fechados –  de preferência o tênis, pois há muito calçamento de pedra e passagens pela mata.
:: Garrafa de água.


Uma brincadeira muito legal para as crianças é entregar o mapa do espaço e uma lupa, elas se sentirão verdadeiras exploradoras.  Há muito para olhar, ouvir, sentir e aprender! Mostre as informações sobre as plantas, permita que a criança contemple as obras e depois converse com ela sobre as mesmas.

Mais informações: www.inhotim.org.br

* em período de pandemia, não deixe de conferir o funcionamento do Instituto antes de programar a sua visita. 

Tabela com informações sobre o parque