duas famílias com crianças pequenas vestindo a camiseta vamos brincar lá fora. o registro é em um museu.

quando tivemos a ideia de criá-la, só queríamos dar vazão aquilo que sentíamos e acreditávamos. não haviam planos, apenas vontade. eu e miriam crescemos brincando lá fora. muitos dos afetos que guardamos de nossos tempos de criança foram na praça, na fazenda, na rua. ⁣

com o nascimento de nossas filhas,(re)descobrimos caminhos para uma infância de sutilezas, importâncias e brincares. os aprendizados e vivências faziam ainda mais sentido no coletivo. criamos um blog para compartilhar uma belo horizonte com e para crianças. em um ano, foi do virtual para o real, se transformando em encontros. um movimento de famílias brincando juntas pela cidade afora. o napracinha ressignificou um tanto: paternidades, cidade, memórias, histórias. ⁣

a gente segue ressoando – e esperançando – as palavras de caio fernando abreu “que se possa sonhar, isso é que conta, com mãos dadas, suspiros, juras, projetos, abraços no convés à lua cheia, brilhos na costa ao longe” para em breve aglomerarmos pra brincar de novo com vocês.⁣